Mundo

Rússia admite ter disparado contra um dos seus satélites num teste de ensaio

Mikhail Metzel

Estado denúncia "declarações hipócritas" de Washington, que acusa de ter colocado em perigo a tripulação da Estação Espacial Internacional.

A Rússia admite, esta terça-feira, ter pulverizado um dos seus satélites em orbita num teste de ensaio, denunciado as "declarações hipócritas" de Washington, que acusa de ter colocado em perigo a tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS).

Moscovo disparou, na segunda-feira, a partir da terra, um antigo satélite soviético num teste que Washington diz ter gerado "uma nuvem" potencialmente perigosa de destroços para a estação orbital e para uma série de satélites.

As sete pessoas - quatro norte-americanos, dois russos e um alemão - a bordo da ISS tiveram que se refugiar temporariamente nas naves atracados na estação para permitir a sua evacuação, caso fosse necessário.

Depois de um dia de silêncio, o Ministério da Defesa russo admite, esta terça-feira, que tinha realizado "com sucesso" esses disparos contra uma nave do tipo Tselina-D, inativa e em órbita desde 1982, sem especificar qual arma havia sido usada.

O ministro da Defesa denuncia ainda as acusações "hipócritas" de Washington sobre o perigo representado pelos destroços.

"Os Estados Unidos sabem muito bem que esses fragmentos (...) não representarão nenhuma ameaça", afirma numa nota.

Na segunda-feira, o chefe da NASA, Bill Nelson, diz estar "escandalizado" por uma ação "desestabilizadora" que também representa riscos para a estação chinesa.

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, afirma que este campo de destroços criado pelo disparo de um míssil russo ameaçaria as atividades espaciais "durante décadas".

"O espaço é um bem comum. Os destruidores do espaço têm uma responsabilidade avassaladora ao gerar detritos que poluem e colocam em perigo os nossos astronautas e satélites", reage, por seu turno, a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly.

Também o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, condena a conduta da Rússia de "efetuar um disparo contra um dos seus próprios satélites.

Saiba mais