Mundo

Reveladas as cinco primeiras imagens completas do telescópio espacial James Webb

Loading...

Cada uma é de certa forma um avanço científico, novas perguntas para estudar ao longo de anos.

Estão reveladas as cinco primeiras imagens completas do telescópio espacial James Webb. Cada uma é de certa forma um avanço científico, novas perguntas para estudar ao longo de anos.

O espaço, profundo, distante, antigo como nenhum homem o tinha visto até agora. Cinco imagens de um evento histórico montado pela NASA com a as agências espaciais europeia e canadiana.

O Presidente dos Estados Unidos furou as regras para marcar o evento histórico com a revelação das primeiras das cinco - uma imagem da grande profundidade de campo.

Cada ponto é uma galáxia. Milhares delas como a nossa Via Láctea num grupo para além da nossa imaginação. A 4 mil e 600 milhões de anos , as mais próximas formam uma lente que deixa ver os pontos mais vermelhos e distantes nesta imagem, galáxias como eram a 13 mil milhões de anos luz mais longe do que alguma vez pudemos ver.

25 anos de trabalho, muita polémica e dinheiro quase 10 mil milhões dólares para colocar no ponto conhecido como Lagrange o James Webb. Um conjunto de instrumentos diferente de todos os outros com cinco camadas que impedem a luz e o calor de chegar aos seus delicados sensores que precisam de frio extremo para captar infravermelhos distantes. Uma máquina que nos leva pelo espaço quase até ao início do tempo a criação do universo.

Hoje mostrou a composição química de um exoplaneta, o WASP 96B é um gigante a mil anos luz muitíssimo quente mas que provou ter vapor de água na sua composição.

Mostrou uma dupla estrela a morrer que na agonia explode muita da sua massa em ondas sucessivas criando a nebulosa de gás ainda aquecido pelo núcleo.

À agência espacial europeia coube a revelação do Quinteto de Stephan, a imagem de cinco enormes galáxias que parecem dançar, duas delas estão a fundir-se a 300 milhões de anos luz. Contém centenas de milhões de estrelas como o nosso Sol. Astros criados em locais como Carina Nebula um dos mais brilhantes e próximos viveiros de estrelas, pó e gás que se vão juntar para criar cada um daqueles pontos, uma estrela completa e os planetas que a acompanharão.

O James Webb está aberto a projetos específicos de estudo mas os dados serão oferecidos à comunidade científica que possa e saiba explorar o mais poderoso instrumento de exploração do espaço profundo que o homem soube construir, e está apenas no início.

Últimas Notícias
Mais Vistos