Mundo

Seca extrema expõe monumentos com milhares de anos em Espanha

Um dólmen e uma igreja estavam submersos nas águas de duas barragens que se encontram agora bastante abaixo da sua capacidade.

Um dólmen que se acredita ser do ano 5.000 antes de Cristo e uma igreja do século XI que até agora estavam submersos ficaram expostos e acessíveis a visitantes devido à seca extrema vivida em Espanha.

Nada de positivo advém da seca severa que afeta grande parte do território europeu, ou pelo menos é a ideia que se tem. Contudo a nível arqueológico não é bem assim. São vários os casos conhecidos de monumentos, aldeias e edifícios antigos que ficam expostos devido à descida do nível das águas de barragens, rios e lagos.

Foi exatamente isso que sucedeu em Espanha. Um monumento pré-histórico, comummente conhecido como dólmen, reapareceu na paisagem da Barragem de Valdecañas, na cidade de Cáceres em Espanha. Este curioso monumento foi descoberto em 1926, mas ficou submerso em 1963 aquando da construção da barragem.

Desde então, só voltou a estar à superfície por quatro ocasiões, o que torna a sua aparição algo interessante e aliciante a turistas e entusiastas.

Mas o que é um dólmen? Um dólmen é um monumento megalítico, que se acredita ser uma construção comum do período Neolítico e da Idade do Bronze. É caracterizado por pelo menos duas grandes pedras colocadas na vertical que sustentam uma grande pedra horizontal.

Estudos e descobertas de restos mortais em vários exemplares indicam que esta construção servia como sepultura para Seres Humanos.

PIERRE-PHILIPPE MARCOU

Como a Barragem de Valdecañas sofreu uma grande quebra na sua capacidade, o também conhecido como Dólmen de Guadalperal ressurgiu e está agora à vista de todos aqueles que pretendam deslocar-se ao local para visitar o monumento que, se a situação de seca se reverter, poderá não estar acessível nos próximos tempos.

Igreja do século XI

Noutra região do país vizinho, mais concretamente na Catalunha, uma igreja datada do século XI emergiu e ficou descoberta também devido à grave seca.

A barragem de Sau, à semelhança de tantas outras, sofreu um decréscimo acentuado na quantidade de água armazenada, o que fez com que uma igreja com cerca de mil anos voltasse a preencher a paisagem da região espanhola onde se localiza.

Este monumento, que se encontra a 23 metros de profundidade, está submerso há 60 anos e esteve exposto em 2005 pela última vez, quando Espanha também atravessou uma seca extrema, tal como explica o El País.

A igreja de Sant Romà de Sau está agora mais uma vez à superfície depois da barragem em que se encontra ter atingido 37% da sua total capacidade. Razão que motiva imensos visitantes a visitar o monumento de estilo românico lombardo.

Esta igreja foi sujeita a um intervenção em 1999 com o objetivo de preservar e requalificar a sua estrutura que se encontrava danificada e corria sérios riscos de ruir.

Últimas Notícias