Mundo

11 de setembro: "Depois de 21 anos, mantivemos a nossa promessa de nunca esquecer", afirma Joe Biden

11 de setembro: "Depois de 21 anos, mantivemos a nossa promessa de nunca esquecer", afirma Joe Biden
Anna Moneymaker
O Presidente dos EUA homenageou as vítimas dos atentados terroristas.

O Presidente norte-americano comemorou o 21.º aniversário dos ataques terroristas que ocorreram a 11 de setembro. Joe Biden deixou uma coroa de flores em homenagem às vítimas e discursou este domingo no Pentágono, em Washington D.C.

“Depois de 21 anos, nós mantivemos a nossa promessa de nunca esquecer. Vamos manter na memória todas as vidas que foram roubadas nesse dia”, afirma o Presidente Joe Biden, reconhecendo que os ataques de 2001 tiveram um grande impacto no mundo.

O Presidente dos EUA homenageou as quase 3 mil vítimas mortais no 11 de setembro e deixou uma mensagem aos entes queridos que continuam em luto.

“Para todos aqueles que perderam alguém, 21 anos parece uma vida inteira e nenhum tempo. É bom recordar, as memórias ajudam-nos a curar, mas também podem abrir a dor”, indica Joe Biden.

Durante o discurso, o Chefe de Estado norte-americano referiu-se a Rainha Isabel II ao recordar a mensagem que a monarca enviou ao país após os ataques terroristas.

“A dor é o preço que pagamos pelo amor” foi a mensagem que a monarca enviou às famílias das vítimas do 11 de setembro, durante um serviço religioso na igreja de St. Thomas, em Nova Iorque, no mesmo dia dos ataques.

De seguida, saudou a coragem e resiliência do povo norte-americano durante os momentos de tensão. “Milhões de homens e mulheres, ao longo de toda a Nação, responderam aos ataques de 11 de setembro com coragem e determinação e juntaram-se à maior força de combate da história do mundo. Centenas de milhares de americanos de tropas americanas serviram no Afeganistão e no Iraque em tantos outros lugares no mundo para negar um lugar seguro aos terroristas”, afirma.

O Oresidente dos EUA também quis destacar a morte, no início de agosto, do líder da Al Qaeda, Ayman al Zawahiri, num ataque de drone em Cabul, cerca de um ano após a retirada das últimas tropas americanas do Afeganistão.

Joe Biden assegurou que, apesar da retirada dos EUA do Afeganistão que encerrou 20 anos de guerra, o "compromisso de evitar um novo ataque aos Estados Unidos não termina".

O Presidente fez o discurso de encerramento da cerimónia, durante a qual os nomes de cada uma das 189 pessoas, que morreram no ataque ao Pentágono, foram lidos em voz alta e o hino dos Estados Unidos foi cantado.

Pouco tempo depois, em Shanksville, na Pensilvânia, a primeira-dama, Jill Biden, fez um discurso para lembrar os 44 passageiros do voo 93 da United, que conseguiram evitar um quarto ataque naquele dia, enfrentando os terroristas e causando a queda do avião.

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, participou no evento que lembrou os ataques no “Ground Zero”, em Nova Iorque, onde dois aviões derrubaram as Torres Gêmeas, matando 2.763 pessoas.

Últimas Notícias
Mais Vistos