Mundo

Cruz Vermelha apela a apoio humanitário a migrantes à passagem de furacão Júlia

Cruz Vermelha apela a apoio humanitário a migrantes à passagem de furacão Júlia
Carl & Ann Purcell
A América Central está em alerta desde quinta-feira devido ao furacão Júlia.

A Cruz Vermelha Internacional apelou este domingo aos países da América Central que garantam apoio humanitário aos migrantes deslocados na região, dado o impacto da passagem do furacão Júlia.

A América Central, uma das regiões mais vulneráveis à crise climática e com uma vasta população com menos recursos, está em alerta desde quinta-feira por causa do furacão Júlia, que atingiu este domingo a costa caribenha da Nicarágua, com ventos até 140 km/h.

A passagem do furacão obrigou à retirada de milhares de habitantes para abrigos temporários, principalmente os que vivem em locais e ilhas de alto risco no mar das Caraíbas, bem como no litoral.

Milhares de pessoas estão em trânsito, rumo ao norte, sem acesso a informação sobre condições meteorológicas ou sobre locais de abrigo, o que as deixa num estado de total vulnerabilidade, alertou uma das responsáveis da Federação Internacional de Organizações da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC, na sigla inglesa), Diana Medina, em declarações à agência Efe.

A IFRC apela, por isso, aos Estados da América Central que garantam "assistência humanitária e proteção a todas as pessoas que dela precisem, independentemente da sua nacionalidade ou situação migratória".

As previsões apontam que o furacão Júlia atravesse a Nicarágua e depois chegue às costas do Pacífico das Honduras, El Salvador e Guatemala ao longo de segunda-feira.

Mais de 160.000 pessoas chegaram este ano ao Panamá, considerado porta de entrada na América Central, por via de uma perigosa zona de floresta na fronteira com a Colômbia. O valor supera as 133.726 pessoas que entraram naquele país em 2021.

A maioria dos migrantes são de Cuba, Venezuela e Haiti.

Últimas Notícias