Mundo

Neandertais coexistiram com humanos modernos na Europa durante mais de 2.000 anos

Neandertais coexistiram com humanos modernos na Europa durante mais de 2.000 anos
Canva

O estudo, baseado em descobertas de fósseis, concluiu que a coexistência entre Neandertais e humanos modernos aconteceu em vários lugares da atual França e no norte da Espanha.

Os Neandertais coexistiram com os humanos modernos em vários lugares da atual França e no norte da Espanha durante mais de 2.000 anos, período em que estas duas espécies humanas tiveram tempo de se misturar, segundo um modelo científico.

O estudo, baseado em descobertas de fósseis, divulgado esta quinta-feira na revista Scientific Reports, não apresenta evidências diretas de uma interação entre estas duas populações, ocorrida há cerca de 40.000 anos, mas os cientistas sabem que existiu contacto entre estas, como revelado, entre outros, pelo recente Prémio Nobel de Medicina, o paleogeneticista sueco Svante Paabo.

Grande parte da população mundial tem algum ADN de Neandertal

Os investigadores “não sabem em qual região específica" ocorreram os possíveis encontros, sublinha o principal autor do estudo, Igor Djakovic, estudante de doutoramento na Universidade neerlandesa de Leiden.

A duração da coexistência entre as espécies também permanece sujeita a debate.

Na tentativa de responder a estas perguntas, a equipa de Leiden examinou a datação por carbono-14 de 56 objetos, metade atribuídos aos Neandertais e a outra aos humanos modernos, encontrados em 17 sítios arqueológicos em França e no norte da Espanha.

Os cientistas utilizaram as datas desses objetos, incluindo ossos e utensílios de pedra atribuídas aos últimos Neandertais, em modelos estatísticos e probabilísticos.

A conclusão aponta que os Neandertais desapareceram entre 40.870 e 40.457 anos atrás, enquanto os humanos modernos apareceram nesta parte do continente europeu há cerca de 42.500 anos.

Isto significaria que as duas espécies coexistiram por um período de 1.400 a 2.900 anos.

Este período coincide com uma grande "difusão de ‘ideias’" entre estas duas populações, referiu Igor Djakovic à agência France-Presse (AFP).

O período de coexistência está "associado a transformações substanciais na forma como os humanos (modernos) produziam objetos culturais", como ferramentas ou ornamentos, segundo o investigador.

Os objetos produzidos pelos Neandertais também mudaram “dramaticamente” e começaram a assemelhar-se aos elaborados pelos humanos modernos.

O estudo sustenta a tese que explica o desaparecimento dos Neandertais através da sua absorção progressiva dentro da população de humanos modernos.

“Os Neandertais teriam sido, por cruzamento, absorvidos na nossa herança genética”, destaca o investigador da Universidade de Leiden.

Mas, como “a maioria dos habitantes da Terra tem ADN Neandertal, pode-se dizer que, de certa forma, este nunca desapareceu realmente”, aponta Igor Djakovic.

Últimas Notícias