Mundo

Talibãs realizaram primeira execução pública desde tomada do poder no Afeganistão

Talibãs realizaram primeira execução pública desde tomada do poder no Afeganistão
Canva

Um afegão condenado por homicídio foi, esta quarta-feira, executado perante centenas de espetadores.

As autoridades talibãs executaram, esta quarta-feira, um afegão condenado por homicídio, a primeira execução pública desde que os antigos rebeldes tomaram conta do Afeganistão no ano passado, disse um porta-voz dos fundamentalistas islâmicos.

O anúncio sublinha as intenções dos novos governantes do Afeganistão de continuar as políticas de linha dura implementadas desde que assumiram o controlo do país em agosto de 2021 e de se cingirem à sua interpretação da lei islâmica, ou Sharia.

A execução teve lugar na província ocidental de Farah perante centenas de espetadores e muitos altos funcionários talibãs, incluindo da capital, Cabul, e da província, segundo Zabihullah Mujahid, o porta-voz máximo do Governo talibã.

A decisão de executar a punição foi "tomada com muito cuidado", disse Mujahid, após aprovação por três dos mais altos tribunais do país e pelo líder supremo dos Talibãs, Mullah Haibatullah Akhundzada.

O homem executado, identificado como Tajmir da província de Herat, foi condenado por ter morto outro homem há cinco anos e roubado a sua mota e telemóvel.

A vítima foi identificada como sendo Mustafa, da província vizinha de Farah. Muitos homens afegãos usam apenas um nome.

As forças de segurança talibãs tinham prendido Tajmir depois de a família da vítima o ter acusado do crime, disse Mujahid, sem indicar quando a detenção teve lugar, mas acrescentando que Tajmir tinha supostamente confessado o assassinato.

Durante o anterior domínio talibã do país no final dos anos 90, o grupo levou a cabo execuções públicas, flagelações e apedrejamentos dos condenados por crimes nos tribunais talibãs.

Depois de terem dominado o Afeganistão em 2021, nas últimas semanas da retirada das forças dos EUA e da NATO do país após 20 anos de guerra, os talibãs tinham inicialmente prometido ser mais moderados e permitir os direitos das mulheres e das minorias.

Em vez disso, restringiram os direitos e liberdades, incluindo a proibição da educação das raparigas para além do sexto ano.

Também realizaram chicoteamentos públicos em diferentes províncias, punindo vários homens e mulheres acusados de roubo, adultério ou de terem fugido de casa.

Os antigos rebeldes têm lutado na sua transição da guerra para a governação em plena recessão económica, sem reconhecimento oficial por parte da comunidade internacional.

Últimas Notícias
Mais Vistos