País

Raízes de ciência e rebentos de esperança

Raízes de ciência e rebentos de esperança

A investigadora que revolucionou o conhecimento mundial sobre chimpanzés, nos anos 60, falou esta quinta-feira com a SIC sobre a experiência dos primeiros tempos de observação destes primatas na selva do que é hoje a Tanzânia, sobre o que era esperado das mulheres na época e sobre como inicialmente foi recebida pela comunidade científica britânica a descoberta que fez. Jane Goodall alertou ainda para a ameaça das alterações climáticas e criticou o presidente dos EUA por negar a ciência.

Jane Goodall descobriu que os chimpanzés usam e produzem ferramentas, uma capacidade até então atribuída exclusivamente aos seres humanos, mas também que têm capacidades intelectuais, personalidades e emoções. A primatóloga continua a trabalhar na proteção dos chimpanzés que hoje estão ameaçados, por exemplo, pela perda de habitat e pela venda ilegal como animais de estimação.

A naturalista, que se tornou cientista e depois ativista dos direitos dos animais e das pessoas, falou ainda da ameaça que a humanidade enfrenta, com as alterações climáticas, e criticou o presidente dos EUA por negar os factos e a ciência climática. Aos 83 anos, Jane Goodall diz que não quer envolver-se na política, mas que não se pode calar perante uma mentira.

A investigadora, mensangeira da Paz das Nações Unidas, considerou ainda que é possível tornar o mundo melhor com as escolhas éticas de um número crescente de pessoas.

A sensibilização dos mais novos é uma das missões que tem, com o programa internacional Roots & Shoots (Raízes e Rebentos), do Instituto Jane Goodall. A ativista disse à SIC que espera que este programa de ação para a juventude cresça mais em Portugal e explicou ainda porque é que deixou de comer carne.

  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas.