País

Morreu Zeca Mendonça, histórico assessor do PSD

Zeca Mendonça trabalhava com Marcelo Rebelo de Sousa em Belém

Tinha 70 anos.

O assessor da Presidência da República José Luís Mendonça Nunes, mais conhecido por Zeca Mendonça, morreu esta quinta-feira, aos 70 anos.

Zeca Mendonça nasceu em Lisboa, na freguesia de Santos-o-Velho, em 23 de março de 1949.

Torna-se funcionário do PSD (então PPD) em 1974, tendo começado como segurança, e em 1977 passou para o gabinete de imprensa do partido, no qual trabalhou durante 40 anos.

Como assessor de imprensa, Zeca Mendonça trabalhou com 16 presidentes do PSD - ou 17, caso se conte com Leonardo Ribeiro de Almeida, que presidiu à Comissão Política quando Francisco Sá Carneiro liderava o partido e era primeiro-ministro -- terminando funções no mandato de Pedro Passos Coelho.

Em dezembro de 2017, põe fim a 43 anos de ligação profissional ao PSD para ir reforçar a equipa de assessoria do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Foi precisamente do Presidente que veio uma das primeiras reações. Em declarações ao Expresso, Marcelo fala num homem "discreto", "leal" e "competente" que "serviu a democracia portuguesa".

O presidente do PSD, Rui Rio, também já reagiu. Lamentou a morte de Zeca Mendonça e considerou que o antigo assessor do partido "faz parte da história do PPD/PPD", através de uma nota publicada no site do partido.

Para Francisco Pinto Balsemão, fundador do PSD, Zeca Mendonça era um "grande exemplo de que é possível dedicar-se e entregar-se a uma causa - neste caso,a Social Democracia e o PSD - sem se deixar envolver nas detestáveis tricas partidárias".

Já o ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva lembra o antigo assessor do PSD como "um homem bom", a quem o partido e "cada um dos seus líderes muito devem".

Na rede social Twitter, o cabeça de lista do PSD às europeias, Paulo Rangel, também recorda as memórias com o histórico assessor social-democrata:

Foi também através do Twitter que o antigo líder do PSD, José Manuel Durão Barroso, lamentou a morte de Zeca Mendonça, considerando que o antigo assessor "faz parte da história" do partido:

  • António Costa desvaloriza sondagens favoráveis para o PS
    2:51
  • "Nenhum voto deve ser desperdiçado"
    2:50