País

Greve continua mas com serviços mínimos garantidos

Governo declarou situação de crise energética devido à paralisação dos motoristas de matérias perigosas.

SERVIÇOS MÍNIMOS GARANTIDOS

A reunião entre Governo, Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas e ANTRAM, que se realizou esta terça-feira à noite, terminou sem acordo mas com a garantia de que vão ser assegurados os serviços mínimos.

Os serviços mínimos garantem o abastecimento a 100% para aeroportos, hospitais e transportes públicos, com 30% do volume total de combustível a ser distribuído pelos postos de abastecimento.

Em comunicado, o Governo corroborou a garantia de que os serviços mínimos serão cumpridos "já a partir do início da manhã de dia 17 de abril, quarta-feira.

O Executivo refere ainda que a "(...) ANTRAM comprometeu-se, para tal, a enviar até às 00h00 de hoje as listas com as escalas de serviço de cada empresa associada e o sindicato comprometeu-se a destacar os trabalhadores que deverão assegurar essa escala."

SITUAÇÃO DE ALERTA E CRISE ENERGÉTICA

Os ministros da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética declararam esta terça-feira a "situação de alerta" devido à greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, implementando medidas excecionais para garantir os abastecimentos.

Esta situação de alerta para o período compreendido entre hoje e até às 23:59 do dia 21 de abril, segundo uma nota do Governo, determina a "elevação do grau de prontidão e resposta operacional por parte das forças e serviços de segurança e de todos os agentes de proteção civil, com reforço de meios para operações de patrulhamento e escolta que permitam garantir a concretização das operações de abastecimento de combustíveis, bem como a respetiva segurança de pessoas e bens".

A nota refere que o Governo também determina a "declaração de reconhecimento de crise energética, que acautele de imediato níveis mínimos nos postos de abastecimento, de forma a garantir o abastecimento de serviços essenciais, designadamente para forças e serviços de segurança, assim como emergência médica, proteção e socorro".

CARLOS BARROSO

OS APELOS DO GOVERNO

Segundo o documento, a situação de alerta é válida para todo o território de Portugal continental, na sequência da "constatação do incumprimento da Portaria nº117-A/2019, de 16 de abril, que efetiva a requisição civil dos trabalhadores motoristas em situação de greve".

O despacho conjunto dos dois ministros determina ainda a "convocação dos trabalhadores dos setores público e privado que estejam habilitados com carta de condução de veículos pesados com averbamento de todas as classes de ADR, designadamente os trabalhadores que desempenhem cumulativamente as funções de bombeiro voluntário, bem como os demais agentes de proteção civil habilitados à condução de veículos pesados, salvaguardadas que estejam as condições de segurança das operação de trasfega".

Outra das medidas excecionais é a convocação das empresas e dos trabalhadores dos setores público e privado que estejam "habilitados a apoiar as operações de abastecimento de combustíveis necessárias".

GREVE POR TEMPO INDETERMINADO

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00h00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Após a requisição civil, os militares da GNR mantiveram-se de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível pudessem abastecer e sair dos parques sem afetarem a circulação rodoviária.

Gerou-se a corrida aos postos de abastecimento de combustíveis provocando congestionamento nas vias de trânsito.

O abastecimento de aviões no aeroporto de Lisboa foi suspenso ao início da tarde. Apesar da falta de combustível, as partidas e chegadas ainda não foram afetadas devido aos planos de contigência das companhias.

Já durante a noite desta terça-feira, a GNR conduziu seis camiões que estavam retidos na estação de caminhos-de-ferro de Loulé, para abastecimento do Aeroporto de Faro, como relatou em direto a repórter Conceição Ribeiro:

Uma situação semelhante registou-se na A28, com um camião-cisterna a ser escoltado no sentido Porto-Viana do Castelo.

O Instituto Nacional de Emergência Médica apelou aos cidadãos para que deem prioridade aos veículos de emergência médica nos postos de abastecimento, explicando que todas as viaturas foram atestadas de manhã.

"ESTA GREVE É BASEADA NA DESINFORMAÇÃO"

Gustavo Paulo Duarte, presidente da ANTRAM - Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias -, esteve no Jornal da Noite desta terça-feira.

O presidente da ANTRAM considera que a greve dos motoristas "tem sido levada ao extremo" e que é baseada "na desinformação".

  • "Via Sacra" em destaque na Edição da Manhã
    4:43
  • Árbitra de 18 anos agredida por treinador
    13:01
  • Eleições em Espanha: o que dizem as sondagens
    3:46