País

Catarina Martins critica "armadilha da direita" e mudanças de opinião sobre professores

ANTÓNIO PEDRO SANTOS

A coordenadora do BE considerou hoje "absolutamente insano" que "toda a gente ande a mudar de opinião" sobre os professores

A líder do BE, Catarina Martins apelou à coerência dos partidos, recusando a "armadilha da direita" que permite que Bruxelas decida sobre as carreiras.

Em entrevista hoje à Radio Renascença, Catarina Martins assegurou que o partido não vai mudar as suas votações sobre esta questão, mesmo com a ameaça de queda do governo.

"É absolutamente insano e eu acho que diminui a democracia que toda a gente ande a mudar de opinião. O PS pensava uma coisa agora pensa outra, a direita pensava uma coisa agora pensa outra. os próprios sindicatos já pensaram uma coisa e agora pensam outra, não pode ser, não é assim", criticou.

Se "todos os partidos fossem coerentes e mantivessem o seu voto na sexta-feira", seria possível, por um lado, "manter a porta aberta a que o próximo Governo fizesse a contagem do tempo de serviço", não só para professores como para as restantes carreiras especiais da função pública, apelou Catarina Martins.

"O Governo seguramente encontraria outras soluções que ache importantes na negociação, como sempre fizemos até aqui", acrescentou.

Na perspetiva da líder bloquista, "se toda a gente fosse coerente como o Bloco de Esquerda está a ser resolviam-se todos os problemas, os mais gerais e os mais específicos, pelo menos abrindo portas as negociações futuras".

"O PSD e CDS querem, julgo eu, enganar os professores - acho que não conseguem porque os professores percebem - ao dizer algo como: nós vamos contar o tempo de serviço e depois pôr lá uma norma que diz, mas isto só vale se o pacto de estabilidade o permitir", acusou.

Assim, o BE recusa "cair na armadilha da direita" de dizer que "é Bruxelas que decide sobre as carreiras porque o que aconteceu sempre, até agora, é que isso serviu para puxar para baixo" as condições dos trabalhadores portugueses.

"O BE não vai mudar nada no seu voto. Nós já votamos contra essas condições, vamos votar contra essas condições outra vez. Não há nenhuma novidade na posição do Bloco. Ao contrário de outros partidos, nós sabíamos o que estávamos a votar e a proposta que tínhamos", atirou.


Catarina Martins avisou que PSD e CDS querem "indexar um direito laboral ao programa de estabilidade, o que quer dizer que o próximo Governo pode estar a negociar em baixa e não em alta os direitos de quem trabalha".

"Peço aos professores para pensarem: tem algum sentido nós aprovarmos uma medida que não só anula a possibilidade de contagem integral do tempo de serviço como ainda por cima pode vir a ser utilizada como desculpa no futuro para rever a carreira em baixa, para lhes retirar direitos", questionou.

Questionada se isto não são politiquices - como disse o líder da Fenprof, Mário Nogueira - a dirigente do BE foi perentória: "é uma questão de princípio e não resolve nada aos professores".

Catarina Martins tinha começado por deixar claro que "o que for decidido para os professores" tem que ser aplicado a todas as carreiras especiais da função pública que estão congeladas.

Na reta final da entrevista, a líder do BE considerou grave o facto de ser "fácil bater nos professores em Portugal".

Com Lusa