País

PS rejeita continuar a negociar Lei de Bases da Saúde com o PSD

PS rejeita continuar a negociar Lei de Bases da Saúde com o PSD

Os socialistas fazem agora um novo apelo a PCP e Bloco de Esquerda para que aprovem a nova lei.

O PS anunciou esta sexta-feira que não chegou a acordo com o PSD sobre a revisão da Lei de Bases da Saúde e pediu o apoio dos "partidos que não se revêm na atual lei que incentiva as PPP".

Em conferência de imprensa no parlamento, a vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS Jamila Madeira afirmou que o PS esteve sempre disponível para melhorar o atual texto em alguns aspetos, "mas não está disponível para reverter as suas posições centrais nesta matéria e alterar todo o trabalho que releva como muito positivo no respeito pela memória e pelo legado do PS na área da saúde".

Jamila Madeira sublinhou que a atual posição do PSD contraria o que o presidente do partido afirmou publicamente, acrescentando que "esta posição do PSD não é uma verdadeira negociação, é sim uma tentativa de reabertura do debate da Lei de Bases da Saúde".

A deputada socialista disse que o líder do PSD, Rui Rio, admitiu publicamente que o partido tinha disponibilidade e "bom senso" para revisitar três tópicos da Lei de Bases da Saúde: a gestão do Serviço Nacional de Saúde, direitos dos utentes do SNS, saúde pública e bem-estar.

Contudo, depois de o PS ter ouvido as propostas concretas do PSD, "estas representam a reabertura de um debate com a alteração e revisão de 22 bases, num total de 28", sendo que 10 seriam novas bases, referiu.

Nesse sentido, o PS apela agora aos partidos que não se revêm na lei em vigor "a permitirem que este Governo do PS, apoiado no parlamento pelo PCP, BE e PEV, aprovem uma lei que proteja o SNS".

Com Lusa

  • Boris Johnson foi alvo de críticas e elogios
    2:35