País

Voos de madrugada "são um fator dramático para a saúde" de quem vive perto do aeroporto

Voos de madrugada "são um fator dramático para a saúde" de quem vive perto do aeroporto

A associação ambientalista Zero está a medir o ruído do aviões na cidade de Lisboa. A ação de 24 horas no jardim do Campo Grande está a ser acompanhada pela jornalista Carla Castelo.

De acordo com a OMS, o barulho dos aviões provoca problemas de saúde como situações de stress ou hipertensão, consequentemente, à morte prematura, alerta Francisco Ferreira da Associação Zero.

"Décibeis a mais, o inferno nos céus" de Lisboa

A associação ambientalista Zero convida a população a participar na campanha "dÉCIbEIS A MAIS, O INFERNO NOS CÉUS".

A ação de 24 horas a monitorizar o ruído dos aviões começou às 07:00 e só termina à mesma hora de sábado.

O ruído provocado pelos aviões está a ser medido na zona do jardim do Campo Grande, junto da avenida do Brasil, uma zona que é sobrevoada pelos aviões que aterram ou levantam do aeroporto Humberto Delgado.

A organização tem um equipamento "homologado e certificado" de monitorização para realizar medições contínuas e vai divulgando em direto a informação.

"A Zero vai dar voz a muitos dos residentes afetados por ruído associado ao aeroporto de Lisboa, desde casos de pessoas que só conseguem descansar com medicação aqueles que não conseguem trabalhar ou conversar por estarem sempre a ser interrompidos. Mais ainda, o caso único do maior hospital psiquiátrico do país no local mais afetado pelo ruído dos aviões com níveis impressionantes para quem precisa obviamente de um local silencioso", diz a associação.

As medições vão avaliar os dois indicadores de ruído previstos na lei (consoante a hora do dia), mas avisa que medições preliminares "dão indicações de uma significativa ultrapassagem" dos valores máximos permitidos, "independentemente dos picos de ruído que infelizmente a legislação não avalia diretamente".

A Zero sugere que os cidadãos descarreguem aplicações de análise de ruído e que tornem púbicos os resultados.

E diz que o aeroporto de Lisboa tem atualmente mais de 650 movimentos (aterragens e descolagens) por dia e que os dados detalhados da monitorização de ruído no Aeroporto Humberto Delgado não são públicos.

"Os limites de ruído da legislação portuguesa não são cumpridos nas proximidades do aeroporto devido à influência dos aviões", acusa a Zero, que refere haver na zona de aproximação dos aviões várias escolas primárias e secundárias, o Instituto Português de Oncologia, o maior hospital do país e a maior concentração de faculdades do país.

E alerta ainda que a exposição ao ruído provoca distúrbios do sono ou de concentração e que as crianças são mais afetadas.

"O Governo apoia a expansão do aeroporto Humberto Delgado de 30 para 42 milhões de passageiros sem avaliação ambiental estratégica. Implicará um aumento máximo dos movimentos de 40 para 48 por hora", assinala também a Zero

  • Doente deitada no chão do hospital?
    2:20