País

Já arderam 3 mil hectares em Mação

PAULO NOVAIS / LUSA

O que sobrou de 2017 está em risco de desaparecer, lamenta autarca.

O vice-presidente da Câmara de Mação disse hoje à Lusa que as chamas já consumiram três mil hectares de floresta e que está em risco de desaparecer o que sobrou dos incêndios de 2017.

“Foram consumidos três mil hectares. Neste momento a frente do fogo tem seis, sete quilómetros e, com isto assim, tudo o que sobrou dos catastróficos incêndios de 2017 está em risco de desaparecer. Assim, não vai sobrar nada”, lamentou António Louro.

Segundo aquele que é também responsável da proteção civil de Mação, o incêndio está a ser combatido “desde as 20:00 de ontem [sábado] passou de Vila do Rei para o concelho”.

“Oficialmente parecem estar muitos operacionais, mas quando se se fala com as pessoas, no terreno, elas perguntam ‘onde é que estão’?”, afirmou António Louro.

O autarca admitiu que a situação evoluiu favoravelmente com a descida da temperatura e com o facto de se fazer sentir menos vento, mas a extensão da frente ativa de fogo não o deixa otimista quanto à probabilidade de as chamas serem dominadas nas próximas horas.

“Gostaria de acreditar, mas será muito, muito difícil”, sublinhou.

60% da área estava dominada esta manhã

Os dois incêndios que lavravam no concelho da Sertã desde sábado foram dominados, afirmou hoje o Comandante do Agrupamento Centro Sul, salientando que o fogo é extenso e arde em terreno difícil.

Em Mosteiro de São Tiago permaneciam pelas 10:00, 106 operacionais e 27 meios terrestres, já em Rolã, estavam no terreno 294 operacionais e 91 meios terrestres e 1 aéreo.

Já o incêndio em Vila de Rei, ainda no distrito de Castelo Branco, que ainda ao início da noite alastrou para o concelho de Mação, distrito de Santarém, é aquele que envolve mais elementos na luta às chamas, 850 bombeiro apoiados no terreno por 250 meios terresters e 12 aéreos.

Os três incêndios no distrito de Castelo Branco provocaram sete feridos ligeiros e um grave, indicou o Comandante do Agrupamento Centro Sul da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e o INEM.