País

Frente de fogo em Mação com reacendimentos

CARLOS GARCIA

Aumento da temperatura e rotação do vento vão dificultar o combate ao incêndio.

Os bombeiros estão esta segunda-feira a combater alguns reacendimentos do incêndio que lavra desde sábado no concelho de Mação, distrito de Santarém, que, pouco depois das 10:00, estava sem qualquer chama ativa, de acordo com a Proteção Civil.

O segundo comandante distrital do Comando Operacional Distrital de Santarém, Paulo Ferreira, que chefiou o posto de comando instalado na aldeia de Cardigos, no concelho de Mação (Santarém) desde a 01:00 até cerca das 10:30 de hoje disse à Lusa que esta frente do fogo que atinge igualmente o concelho de Vila de Rei (Castelo Branco) está em fase de rescaldo.

Aumento da temperatura e vento vão dificultar trabalhos

Contudo, admitiu que, com o aumento da temperatura e a rotação de ventos prevista, "vai existir perigo", estando a ser colocadas equipas da GNR nas aldeias de Chaveira, Chaveirinha e S. Bento, que se encontram na hipotética linha de fogo.

Segundo o comandante, os meios aéreos estão a fazer "o arrefecimento de pontos quentes, que são detetados pelas equipas em terra", de forma a colocar "alguma água de manhã enquanto está fresco", tendo igualmente iniciado o combate aos focos de reacendimento.

Paulo Ferreira afirmou que a noite foi "de muito trabalho".

"Havia muita chama ativa durante a noite. Os operacionais esforçaram-se para podermos ter uma manhã sem chama ativa", frisou.

O comandante do Agrupamento Distrital do Centro Norte, Pedro Nunes, disse, no ponto de situação feito às 08:00, que 90% do fogo havia sido dominado durante a noite, mantendo-se duas frentes de fogo nos concelhos de Vila de Rei e de Mação.

Pedro Nunes afirmou que o fogo se desenvolvia ao início da manhã "de forma branda", não havendo casas em risco, mas existe um "plano B" caso se registe de novo uma situação como a ocorrida no domingo à tarde com a mudança de direção e da intensidade do vento.

Combate vai ter "dois tempos"

Prevendo "um dia difícil", o comandante afirmou que, durante a manhã vai ser feito um esforço para "maximizar o tempo para percorrer a maior quantidade de território possível com máquinas de rasto para tapar as linhas de fogo".

Ao longo do dia, o combate vai ter "dois tempos", o da manhã, com vento de leste fraco e a preocupação colocada no "flanco direito" das duas frentes de fogo, uma no concelho de Vila de Rei e outra no de Mação.

Para a tarde, a previsão de rajadas 35 de quilómetros/hora, de noroeste, colocará a atenção no flanco esquerdo, em particular nas localidades de Chaveira, Chaveirinha e Casais de São Bento (Mação) e Vergão (Proença-a-Nova), onde vão ser posicionados meios da GNR e da Segurança Social, para o caso de vir a ser necessário proceder à sua evacuação.

O comandante adiantou que ao todo houve 21 pessoas assistidas e 10 feridos, na sua maioria ligeiros.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém.

Lusa

  • As novas tabelas da ADSE
    2:35