País

Obras na escola de Mondim de Basto avançam depois de anos de reivindicação

O anúncio foi feito pelo presidente da autarquia.

A requalificação da Escola 2,3 e Secundária de Mondim de Basto vai avançar depois de dois concursos públicos terem ficado desertos e da adjudicação da empreitada por 1,9 milhões de euros, disse hoje o presidente da câmara.


Humberto Cerqueira afirmou à agência Lusa que a obra no estabelecimento de ensino "vai avançar brevemente, aguardando apenas o visto do Tribunal de Contas".

Este projeto foi candidatado pela autarquia ao Programa Operacional Regional Norte 2020 e mereceu a sua aprovação em março de 2017. No entanto, segundo o autarca, os dois concursos públicos entretanto lançados ficaram desertos, obrigando a uma reformulação do projeto.


"As empresas concorreram sempre acima do preço base, não pudemos adjudicar a obra e tivemos que ajustar as condições da obra às condições do mercado", explicou.

Para resolver o problema, foi "retirado volume de obra" e a empreitada foi adjudicada por 1,9 milhões de euros.
Humberto Cerqueira adiantou, no entanto, que hoje mesmo vai ser assinado um contrato-programa com vista a "um reforço de 600 mil euros", no âmbito da reprogramação do Portugal 2020 (PT2020).


"Este reforço vai-nos permitir lançar uma nova empreitada, um novo concurso público, e fazer componentes da obra que, entretanto, foram retiradas", explicou.


A intervenção na escola de Mondim de Basto, construída há 35 anos, é uma reivindicação antiga deste concelho do distrito de Vila Real.


Nos últimos anos, o frio e a água da chuva que entrava nas salas de aula desta escola, onde estudam cerca de 600 alunos, motivaram manifestações por parte de pais e alunos, ainda visitas de partidos políticos e a intervenção da câmara liderada pelo socialista Humberto Cerqueira.


Segundo o município, a ampliação e requalificação projetadas visam "melhorar a qualidade das instalações escolares no que respeita à organização interna dos seus espaços, aos critérios de segurança, às exigências de acessibilidades e à eficiência energética".


Esta escola está incluída no grupo de 50, espalhadas pelo Norte do país, cujos contratos-programa vão ser assinados esta tarde, em Vila Real, no âmbito da reprogramação dos fundos comunitários.


A cerimónia vai ser presidida pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Lusa