País

Ambientalistas denunciam poluição na Ribeira de Calva, afluente do Dão

Quercus

Quercus e a Associação Ambiente em Zonas Uraníferas apontam o dedo às de Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) e de fossas séticas do concelho de Nelas

Associações ambientalistas denunciaram hoje a existência de poluição na Ribeira de Calva, um afluente do Rio Dão, alegadamente devido ao mau funcionamento de Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) e de fossas séticas do concelho de Nelas.

Em comunicado, a Quercus e a AZU, a Associação Ambiente em Zonas Uraníferas referem que, "apesar de estar já iniciada a construção de ETAR em Santar e em Moreira, a água nestes locais está a ser libertada na Ribeira de Calva sem tratamento".

"Existe uma fossa sética em Moreira de Baixo cujo mau funcionamento é visível a olho nu, com extravasamento das águas dos esgotos para os solos circundantes e para a Ribeira de Calva", explicam, acrescentando que "o cheiro é nauseabundo e a água da ribeira está preta e nitidamente poluída".

As associações referem-se ainda a uma outra fossa existente na aldeia de Pisão, que "também extravasa as suas águas contaminadas para os solos circundantes e para a Ribeira de Calva, originando o mesmo cenário de cheiros nauseabundos e águas poluídas".

Segundo as associações, neste momento, na Ribeira de Calva, corre "água proveniente dos esgotos, sem a presença de água natural do curso de água", um facto que "é revelador da gravidade da situação" que se vive.

"As termas de S. Gemil e respetiva praia fluvial são diretamente afetadas pela poluição transportada por este afluente de Rio Dão", acrescentam.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da Câmara de Nelas, Borges da Silva, admitiu a existência de "não conformidades ambientais, mas que felizmente têm uma solução à vista a curto prazo".

O autarca avançou que, até ao final do ano, deverão ficar "em fase de arranque" seis ETAR que "estão praticamente construídas" em Lapa do Lobo, Aguieira/Carvalhal Redondo, Moreira, Casal Sancho, Santar e Vilar Seco, num investimento de 1,8 milhões de euros, financiando pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

"Em Nelas, está a ser construída uma grande ETAR e sistema intercetor, que vai abranger toda a freguesia de Nelas, incluindo quer as duas zonas industriai - a 1 (na estrada para Mangualde) e a do Chão do Pisco -, quer as aldeia de Folhadal e Algeraz, quer todo o aglomerado urbano de Nelas", explicou.

Borges da Silva disse que, "até ao final do ano, estarão todas em fase de arranque".

No que respeita às fossas séticas, "foram mantidas algumas, que estão a ser acompanhadas por uma empresa com contrato de concessão" e, "onde se verificarem não conformidades, far-se-à uma intervenção", acrescentou.

O autarca realçou que este executivo colocou as questões ambientais no centro da política municipal, tendo o POSEUR apoiado investimentos de perto de dez milhões de euros no ciclo urbano da água.

  • Quercus exige leis mais duras contra poluidores dos rios

    País

    A associação ambientalista Quercus considerou hoje "inaceitável a situação recorrente" de poluição no rio Tejo sem que os poluidores sejam penalizados e exigiu que o Governo e a Assembleia da República criem leis mais duras contra os responsáveis.

  • Escolas fazem negócio com refeições
    11:40