País

Bruno de Carvalho em silêncio no arranque do julgamento do caso Alcochete

Bruno de Carvalho em silêncio no arranque do julgamento do caso Alcochete

Ex-presidente do Sporting dispensado das próximas sessões.

Bruno de Carvalho foi dispensado das próximas sessões do julgamento ao ataque à academia do Sporting, em Alcochete.

Na primeira, esta segunda-feira, remeteu-se ao silêncio, mas acabou por falar aos jornalistas. O ex-dirigente quer uma reconstituição da invasão da academia, de forma provar que “era fácil colocar os jogadores em segurança”.

98 CRIMES, INCLUINDO TERRORISMO

O julgamento que arrancou esta segunda-feira é um dos mais mediáticos de sempre em Portugal. São 44 os suspeitos de envolvimento no ataque à academia de Alcochete.

Entre os arguidos está Bruno de Carvalho, acusado de ter sido um dos autores morais. Chegou ao tribunal de Monsanto acusado de 98 crimes, incluindo terrorismo.

EX-OFICIAL DE LIGAÇÃO AOS ADEPTOS CONFESSA OMISSÃO

Neste primeiro dia de julgamento, o ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting Bruno Jacinto assumiu em tribunal que omitiu a um agente da PSP a informação de que um grupo da claque Juventude Leonina ia deslocar-se à academia de Alcochete.

O arguido contou que na noite de 14 de maio de 2018 (segunda-feira, véspera do ataque) recebeu um SMS de Tiago Silva, da direção da Juve Leo, informando que alguns elementos da claque iriam à academia para confrontar verbalmente a equipa devido à insatisfação pelo não apuramento para a Liga dos Campeões e aos atritos verificados no Aeroporto da Madeira na noite anterior.