País

Guiné-Bissau envia delegação a Portugal por causa da morte de Bruno Candé

Bruno Candé

Bruno Simão

Ator de 39 anos e de origem guineense foi morto a tiro no sábado, em Moscavide.

Os deputados da Guiné-Bissau aprovaram, em resolução, o envio de uma delegação parlamentar a Portugal para contactos com as autoridades portuguesas sobre o assassínio do ator Bruno Candé e com a comunidade guineense.

Bruno Candé, 39 anos e de origem guineense, foi morto a tiro no sábado, em Moscavide, e o suspeito da morte do ator vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

A resolução, divulgada esta quarta-feira à imprensa, refere que foi autorizada a "criação e deslocação de uma delegação a Portugal com vista a manter contactos com as autoridades portuguesas sobre aquele assassínio e inteirar-se da situação dos cidadãos guineenses naquele país".

Os parlamentares da Guiné-Bissau condenam o assassínio do ator, considerando que foi "fundado em motivos fúteis, por representar o que mais desprezível existe num ser humano".

Os deputados guineenses encorajam também as "autoridades portuguesas a prosseguir com a urgência necessária, as devidas diligências, de modo a traduzir à justiça o responsável por este ato ignóbil".

Na resolução, os deputados consideram que o assassínio ocorreu por "motivos racistas" e salientam que a "diversidade racial, cultural, étnica e religiosa representam do que de mais belo possui a humanidade" e que é da "responsabilidade coletiva a defesa e respeito por essa heterogeneidade planetária".

Família de Bruno Candé contraria a PSP que nega motivações racistas do crime

A família de Bruno Candé acredita que o homicídio teve motivações racistas.

Suspeito da morte de Bruno Candé remeteu-se ao silêncio em Tribunal

O suspeito da morte do ator Bruno Candé ficou em prisão preventiva. O homem, de 80 anos, disparou quatro tiros contra o ator, no início da tarde de sábado, em plena rua.

Perante o magistrado do Tribunal de Loures, na segunda-feira de manhã, o homem remeteu-se ao silêncio.