País

Sindicato vai processar Ryanair por assédio laboral e discriminação

Jason Cairnduff

Segundo o sindicato, o novo contrato de trabalho não só apresenta uma remuneração inferior ao salário mínimo, como também uma cláusula em que o trabalhador declara "não ter quaisquer reclamações/créditos contra a empresa".

O Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) vai processar a Ryanair por assédio laboral e discriminação, exigindo a restituição de créditos laborais, após a resolução de contratos por justa causa, disse à Lusa um dirigente sindical.

"Um dos processos com que vamos avançar já no imediato será um processo contra a empresa Ryanair, de assédio e discriminação", disse à Lusa Diogo Dias, vogal do SNPVAC, referindo-se a um processo relacionado com os trabalhadores que não aceitaram os cortes impostos pela empresa.

A Ryanair desregulou o regime de escalas habitual à "pequena minoria" de trabalhadores que recusou os cortes da empresa na sequência da pandemia de covid-19, retirando-lhes qualquer direito a bónus, segundo documentos a que a Lusa teve acesso.

Segundo o dirigente sindical, os trabalhadores "a sofrer uma discriminação gravíssima, onde lhes retiraram o padrão do 'roster' [escala] ", estando "a voar menos de 10 horas, quando o normal seria entre 70 a 80", não acontecendo o mesmo com quem assinou os cortes.

Trabalhadores recusaram assinar contratos com remuneração inferior ao salário mínimo

De acordo com o responsável, "imediatamente a seguir" será interposta uma ação em tribunal pelos trabalhadores que recusaram assinar contratos com remuneração base inferior ao salário mínimo, e que a empresa obrigava a transferir para bases no estrangeiro.

Mais de 30 trabalhadores da Crewlink, que tripulam os aviões da Ryanair, estão a ser convidados para os quadros da companhia com remunerações base abaixo do salário mínimo, tendo como alternativa a relocalização no estrangeiro já em setembro.

O contrato proposto possui adicionalmente uma cláusula em que o trabalhador declara "não ter quaisquer reclamações/créditos contra a empresa" à data de 1 de setembro de 2020.

O dirigente do SNPVAC disse à Lusa que "todos os tripulantes" que recusaram a proposta "estão a resolver com justa causa o contrato, depois desta transferência que lhes está a ser oferecida", adiantando que irão avançar "com um processo coletivo contra a empresa não só para a reintegração na empresa Ryanair", como também serão pedidos "os créditos laborais, como por exemplo o subsídio de Natal e o subsídio de férias".

"A Ryanair e a Crewlink, desde que estão em Portugal, nunca pagaram subsídios de Natal e subsídios de férias", disse Diogo Dias, acrescentando que o Governo e os grupos parlamentares já foram alertados para a situação, mas que "a única solução é realmente a via judicial, não há outra maneira".

Valores pagos não são iguais para todos os tripulantes

O sindicalista denunciou ainda que os valores pagos por hora de voo não são uniformizados, "ou seja, há o tripulante que ganha X, outro que ganha Y", algo cujo diferencial salarial também será reivindicado pelos trabalhadores.

Questionado por que motivo o processo será movido sempre contra a Ryanair e não contra a Crewlink, o dirigente do SNPVAC detalhou que, "no entender dos advogados do sindicato, a Crewlink é uma empresa fachada da Ryanair", por se tratar de "uma empresa de trabalho temporário onde o seu único cliente é a Ryanair", além de não ser "bem trabalho temporário".

"Nós deveríamos trabalhar dois anos para a empresa Crewlink - trabalho temporário - e após esses dois anos seríamos Ryanair. Se um trabalhador está há 10 anos na empresa, se quiser reclamar créditos laborais, os primeiros dois anos serão à empresa Crewlink, os oito anos seguintes já serão à empresa Ryanair", referiu Diogo Dias.

A Lusa questionou ainda o sindicalista acerca do não pagamento dos salários de março deste ano, e o dirigente do SNPVAC referiu que esse montante "vai entrar como crédito laboral" no segundo processo judicial.

Ryanair aderiu a lay-off em abirl mas não pagou salários de março

A Crewlink, empresa de tripulantes de voo cujo único cliente é a Ryanair, aderiu ao regime de 'lay-off' simplificado em abril, mas ainda não pagou os salários de março, segundo documentação a que a Lusa teve acesso.

"O que a empresa fez com a pandemia foi um aproveitamento brutal para não só legalizar os contratos daqui para a frente, como para fazer cortes salariais brutais", disse à Lusa o dirigente, falando em cortes de quase 50% para os trabalhadores da Crewlink.

O sindicalista afirmou que perante a probabilidade de perder processos, a Ryanair tem estado a "chegar a acordo com os trabalhadores para não ter uma sentença final" contra si, usando depois o argumento de que "nunca perdeu uma ação", porque "chega sempre a acordo com o trabalhador e paga sempre acima do que o trabalhador está a pedir".

"Isto é uma prática recorrente, sempre foi assim. Já aconteceu no ano passado com os despedimentos na base de Faro, foi um despedimento coletivo, também, foi a primeira base onde fecharam os Crewlinks, e ainda não perderam nenhum caso em tribunal porque têm chegado sempre a acordo com os tripulantes", referiu Diogo Dias.

O sindicalista referiu ainda que "há muitos tripulantes portugueses espalhados pela Europa" com vontade de regressar, a quem a Ryanair está a oferecer o contrato com remuneração base abaixo do salário mínimo, mas que, por estarem "cansados de estar no estrangeiro também a ganhar precariamente", acabam por voltar nessas condições.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado