País

Líder do CDS não teme eventual congresso

Francisco Rodrigues dos Santos diz que não teme um eventual congresso, caso sejam reunidas quatro mil assinaturas com o pedido.

Questionado se teme que os críticos possam convocar um congresso antecipado, apesar do resultado de hoje, Rodrigues dos Santos afirmou que não receia "as regras do partido" e indicou estar "tranquilo para aceitar e para travar as disputas internas que forem necessárias".

Durante a tarde deste sábado, quando se dirigiu aos conselheiros nacionais para apresentar a moção de confiança, o presidente do CDS disse que não se oporá à realização de um congresso extraordinário depois das eleições autárquicas.

No final do Conselho Nacional, e questionado se o resultado das autárquicas poderá precipitar esse congresso, o líder democrata-cristão salientou que "as lideranças são avaliadas por resultado eleitorais" e que depois das eleições saberá "fazer o exame" e não se coibirá de "fazer essa análise".

Quanto aos cinco deputados do grupo parlamentar, que se pronunciaram todos a favor de um congresso antecipado, o presidente democrata-cristão disse que irá fazer a sua "avaliação" e tomará "as devidas diligências para futuro", tentando "articular posições e trabalhar" com os eleitos na oposição ao Governo.