País

Autárquicas. PSD/Barcelos escolhe independente João Sousa e soma seis demissões

Jon Nazca

Concelhia de Barcelos do PSD escolheu o empresário têxtil João Sousa para candidato à Câmara.

A Concelhia de Barcelos do PSD escolheu o empresário têxtil João Sousa para candidato à Câmara, após um processo difícil e polémico, que motivou seis demissões naquele órgão, disseram este sábado fontes partidárias à Lusa.

Com 64 anos, João Sousa é administrador da empresa têxtil Flor da Moda, que detém a marca Ana Sousa.

O seu nome foi escolhido na sexta-feira e vai ser votado este sábado na Distrital, tendo depois de ser ratificado pela estrutura do PSD Nacional.

O presidente da Distrital, Paulo Cunha, disse à Lusa que vai propor a aprovação do nome escolhido pela Concelhia.

"A escolha do candidato foi um processo difícil, porque o PSD é muito forte em Barcelos mas está afastado do poder há 12 anos e tem agora uma vontade muito vincada de reassumir a liderança dos destinos do concelho", referiu.

Sobre as demissões resultantes do processo de escolha, Paulo Cunha desdramatizou, considerando-as até "naturais", uma vez que "está muita gente envolvida".

A escolha do candidato do PSD à Câmara de Barcelos começou por ser alvo de um "estudo de opinião", que colocou Mário Constantino como o favorito, seguido, por esta ordem, de Bruno Torres, Francisco Dias e Domingos Araújo.

Em inícios de março, Bruno Torres, então líder da Concelhia, manifestou vontade de ser o candidato, mas o seu nome foi chumbado, acabando por se demitir.

Na altura, também o secretário da Concelhia bateu com a porta.

Esta sexta-feira, a Concelhia voltou a reunir, já sob a liderança de António Lima, e aprovou a candidatura do independente João Sousa.

Na véspera, a vice-presidente da Concelhia Mariana Carvalho também tinha apresentado a demissão, agastada com a forma como decorreu o processo de escolha do candidato e por alegadamente ter sido mantida à margem da decisão.

"Foi uma agressão grosseira às minhas competências enquanto vice-presidente. Estou mesmo muito triste com todo este processo", disse à Lusa.

Sublinhou que em causa não está o nome do candidato escolhido, mas sim a forma "como o processo foi conduzido”.

"Houve uma espécie de sondagem, os resultados são públicos, mas a verdade é que chegámos aqui e acaba por ser escolhido alguém cujo nome não fazia parte dessa sondagem. Havia muita gente dentro do partido com muita capacidade para ser candidato, mas não tenho nada contra candidatos independentes saídos da sociedade civil. No entanto, se essa era a opção, a candidatura já deveria ter sido lançada há uns meses largos. Agora parece-me demasiado tarde", referiu.

Mariana Carvalho disse ainda que nos últimos dias o partido andou "literalmente à deriva", à procura de candidato.

"Os nomes surgiam à média de três ou quatro por dia", criticou.

Com Mariana Carvalho, saíram também mais três membros da Concelhia.

Contactado pela Lusa, António Lima, atual presidente da Concelhia, não quis comentar as demissões, adiantando que João Sousa "reúne todas as condições" para unir o partido em torno da candidatura.

"O nome foi indicado por mim, assumo toda a responsabilidade. É uma cara nova, um rosto independente, um investidor, um fazedor e, sobretudo, um decisor, que é coisa que não temos na Câmara de Barcelos há 12 anos", disse ainda.

Sublinhou ainda que o nome "reuniu unanimidade" na Concelhia.

Sobre a sondagem feita pelo partido, António Lima também não quis fazer qualquer comentário.

A Câmara de Barcelos é liderada, pelo terceiro mandato consecutivo, por Miguel Costa Gomes, do PS, também empresário e que também, aquando da primeira eleição, entrou na corrida como independente.

Nas Autárquicas de 2017, o PS elegeu cinco elementos para executivo, a coligação PSD/CDS quatro e o movimento independente Barcelos Terras de Futuro (BTF) dois.

A governabilidade da Câmara tem sido assegurada pelo vereador do BTF José Pereira, que passou a votar praticamente sempre ao lado da maioria socialista.

Com Miguel Costa Gomes impossibilitado de se recandidatar por causa da lei de limitação de mandatos, o PS/Barcelos ainda não anunciou o candidato para as eleições deste ano, mas o Secretariado já indicou Horácio Barra, atual presidente da Assembleia Municipal.

A indicação aponta ainda para Miguel Costa Gomes como número um da lista à Assembleia Municipal.