País

Acidente com carro do MAI. Carlos César acusa oposição de aproveitamento imoral 

Única remodelação "é a da fachada" da sede do PS, diz presidente do partido.  

O presidente do PS Carlos César acusa a oposição de aproveitamento imoral do acidente com o carro do ministro Eduardo Cabrita, que resultou numa morte.

Recusando-se a admitir uma remodelação do Governo, o presidente do Partido Socialista diz que o ministro da Administração Interna não pode ser responsabilizado por viajar numa viatura envolvida num incidente.

"Agora, o que me parece inacreditável, custa mesmo a ouvir, é fazer críticas a um ministro com base num incidente do qual resultou uma morte e no qual evidentemente o ministro não pode estar envolvido enquanto titular de um cargo político. E, portanto, não pode tratar-se de um evento politizável e utilizado para tentar daí retirar vantagens políticas", defendeu. "É mesmo imoral fazê-lo", critica ainda Carlos César.

Carlos César falava no final de uma reunião da comissão nacional do PS, que aprovou o adiamento do congresso do PS para 28 e 29 de agosto.

Se a situação de pandemia de covid-19 não melhorar, ficou desde já estabelecido um novo adiamento, em data a marcar até final do ano.

Única remodelação "é a da fachada" da sede do PS

Na mesma declaração dos jornalistas, Carlos César afasta uma remodelação do Governo, ironizando que a única que disse ver "é a da fachada" da sede do partido.

"Eu, em matéria de remodelação, a única que estou a ver é a da fachada deste edifício da sede do Partido Socialista", que se "trata de um exemplar muito valioso do património material de Lisboa", afirma, numa referência à intervenção que está a decorrer no local.

Apontando que "o Governo está a governar numa fase, aliás, muito difícil e muito complexa do ponto de vista social, do ponto de vista económico, do ponto de vista sanitário", marcada por "uma grande incerteza", Carlos César sublinhou que "a função do Governo é concentrar-se justamente nessa dificuldade e em transmitir maior confiança".

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro