País

Professores e educadores em protesto junto ao Ministério da Educação

Luís Nobre Botas

Luís Nobre Botas

Repórter de Imagem

Domingos Ferreira

Domingos Ferreira

Editor de Imagem

Exigem mais vagas para progressão nas carreiras e queixam-se do sistema de avaliação.

Dezenas de professores manifestaram-se esta quarta-feira junto ao Ministério da Educação. Exigem mais vagas para progressão nas carreiras e queixam-se do sistema de avaliação.

Graciete Veloso é educadora de infância há 33 anos e tem 64 de idade. Apesar da boa avaliação e de cumprir com todos os critérios de progressão na carreira, fica retida mais um ano no sexto de 10 escalões. Chegar ao topo da carreira torna-se assim impossível.

Uma realidade que se repete aos milhares porque o número de vagas é previamente definido, sem ter em conta o número de candidatos com todas as condições para progressão.

A Fenprof exige, por isso, que o número de vagas seja negociado com o Governo todos os anos, tal como acontece na região da Madeira.

Estes professores têm agora até dia 22 de agosto para recorrer, mas sem acesso aos dados que levaram à seleção, sentem-se de pés e mãos atados.

A Fenprof pediu uma reunião com o Ministério da Educação para esta segunda-feira. Sem resposta, ameaça agora recorrer aos tribunais em ações individuais.

Veja também:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros