País

Portugal regista quase 2.000 agressores por violência doméstica entre janeiro e junho

Quase 1.100 vítimas estavam em situação de acolhimento, 700 mulheres, 364 crianças e 16 homens, que foram obrigados a sair de casa para evitarem agressões.

Em Portugal, de janeiro a junho, foram registados quase 2.000 condenados por violência doméstica, que passaram a integrar programas de reabilitação.

Os números adiantados pelo Governo são superiores aos do período homólogo do ano passado. Morreram 9 mulheres e três homens em violência doméstica. Quase 1.100 vítimas estavam em situação de acolhimento, 700 mulheres, 364 crianças e 16 homens, que foram obrigados a sair de casa para evitarem agressões.

Mais de 3.800 estão protegidas por teleassistência, um número que também aumentou em relação ao ano passado.

Em Portugal, quase 10% dos reclusos estão presos por situações de agressão a familiares.

Esta segunda-feira, na freguesia de Pedralva, em Braga, um homem matou os cunhados por pensar que eles sabiam do paradeiro da esposa, vítima de violência doméstica.

O criminoso tinha acabado de sair da ala psiquiátrica, onde estava internado desde o dia 17 de setembro.

O número de condenados que frequentam centros de reabilitação por violência doméstica rondam os 2.000. De acordo com especialistas, o número deve ser mais elevado, mas a falta de técnicos impede que haja uma intervenção mais profunda.

Existe um programa para agressores de violência doméstica, que pode ser aplicado como medida de coação. O programa tem a duração de 18 meses e há estudos que provam que apresenta uma diminuição da taxa de incidência.

O crime de violência doméstica é cometido em 95% dos casos por homens.

CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: