País

Ricardo Salgado queria usar património para arquivar o processo da Operação Marquês

Juiz recusou devolver caução e bens ao ex-banqueiro.

O juiz Carlos Alexandre recusou devolver a Ricardo Salgado a caução e os bens arrestados no processo Universo Espírito Santo.

O antigo banqueiro queria usar o património para arquivar o processo Operação Marquês, no qual está a ser julgado. Era um percurso alternativo para impedir que o processo chegasse ao destino: a uma condenação.

No despacho, a que a SIC teve acesso, o magistrado nega todos os argumentos da defesa. Os advogados queriam a devolução da caução de um milhão e meio de euros por já não existirem motivos para os perigos de fuga ou de perturbação do inquérito.

"O arguido tem 77 anos, múltiplos processos, tem-se defendido ativamente em todos. Reside em Portugal onde tem centrado toda a sua vida, incluindo a familiar", alegou a defesa.

Contas bancárias com oito milhões e meio de euros, mais de um milhão e 400 mil de pensão e bens móveis avaliados em mais de 700 mil euros foram arrestados a Ricardo Salgado, a quantia exata que o Ministério Público diz ter sido desviada do Grupo Espírito Santo.

VEJA TAMBÉM:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia