País

Marcelo realçou "pontos críticos que o CDS há muito tempo vem chamando a atenção"

Francisco Rodrigues dos Santos quis lembrar ao PS que os fundos europeus devem ser usados para apoiar as famílias e as empresas

O CDS-PP destacou a parte do discurso do Presidente da República sobre utilização de fundos europeus. Francisco Rodrigues dos Santos quis lembrar ao PS que os fundos europeus devem ser usados para apoiar as famílias e as empresas.

"O senhor Presidente da República, no discurso que proferiu pela ocasião do 05 de outubro, quebrou a ilusão do país das maravilhas de António Costa, mostrou-se pessimista quanto à capacidade política deste Governo e apelou à urgência de uma mudança de ciclo", afirmou o líder do CDS-PP em conferência de imprensa.

Segundo Rodrigues dos Santos, Marcelo realçou "pontos críticos que o CDS há muito tempo vem chamando a atenção", nomeadamente a ocasião do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) "poder configurar-se uma oportunidade perdida na recuperação económica" do país.

"O PRR não pode ser monopólio do PS nem do Governo, não pode apenas estar exclusivo à fruição do próprio Estado e deve virar-se para a economia real, as empresas e as famílias", defendeu o presidente do partido.

O presidente do CDS-PP salientou ainda "a preocupação" do Presidente da República "com a pobreza e as desigualdades", defendendo que estas "não se combatem apenas com Estado".

"É necessário que haja criação de riqueza para que ela possa ser distribuída e para isso é preciso investimento e uma aposta significativa nos ventiladores da nossa economia, que são os nossos empresários", sustentou.

Para isso, continuou o líder do CDS-PP, "é fundamental que em Portugal haja um clima que diga fundamentalmente o seguinte: trabalhar tem de ser suficiente para as famílias fugirem da situação de pobreza".

O Presidente da República pediu hoje que se faça do 05 de Outubro uma data viva, com um Portugal mais inclusivo e que entre a tempo no "novo ciclo da criação de riqueza", aproveitando os fundos europeus.

Marcelo Rebelo de Sousa discursava na cerimónia comemorativa do 111.º aniversário da Implantação da República, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Lisboa.

"Queremos um 05 de Outubro data viva, então criemos um Portugal mais inclusivo, até porque o Portugal que somos nunca vencerá os desafios da entrada a tempo no novo ciclo económico e da multiplicação do conhecimento com dois milhões de pobres e alguns mais em risco de pobreza", declarou o chefe de Estado.

Depois, o Presidente da República apelou para que "Portugal por uma vez entre a tempo -- isto é, nos primeiros, e não no meio e menos ainda nos últimos -- num novo ciclo económico do clima, energia, digital, ciência, tecnologia e renovado tecido produtivo".

"E dispondo de meios de financiamento adicionais, a serem usados com rigor, eficácia e transparência", referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa advertiu que, "desta vez, falhar a entrada a tempo é perder, sem apelo nem agravo, uma oportunidade que pode não voltar mais".

"Portugueses, este 05 de Outubro de 2021 terá mesmo sentido para todos nós se for uma data viva. Uma data viva quer dizer um Portugal inclusivo e, por isso, mais justo. Uma data viva quer dizer um Portugal capaz de não perder o novo ciclo da criação de riqueza -- e porque mais rico mais inclusivo e mais justo. Uma data viva quer dizer um Portugal mais conhecedor, mais qualificado, mais culto -- e por isso mais rico, mais inclusivo e mais justo", reforçou, no final do seu discurso.

O Presidente da República acrescentou que, "superada a pandemia" de covid-19, Portugal tem "nos anos próximos uma ocasião única e irrepetível de reconstruir destinos, de refazer esperanças, de renovar sonhos".

VEJA TAMBÉM: