País

Trabalho não declarado passa a crime com pena de prisão até três anos ou multa até 360 dias

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho fala aos jornalistas.

MIGUEL A. LOPES

Governo aprova proposta de alteração à legislação laboral que prevê a criminalização do trabalho totalmente não declarado.

O Governo aprovou uma proposta de alteração à legislação laboral que prevê a criminalização do trabalho totalmente não declarado, com pena de prisão até três anos ou multa até 360 dias.

Esta medida de combate ao trabalho não declarado foi anunciada, esta quinta-feira, pela ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, no final do Conselho de Ministros, e integra a proposta do Governo, elaborada no âmbito da Agenda do Trabalho Digno, que vai agora ser enviada para o Parlamento.

O objetivo é "assegurar que há sempre lugar a contraordenação, mesmo em caso de regularização voluntária de trabalho não declarado, para desincentivar o recurso a esta modalidade", explica a ministra.

A medida prevê que "a presunção da existência da prestação de trabalho quando não tenha sido declarada à Segurança Social alarga-se para os 12 meses anteriores" e implica o "registo diário dos trabalhadores cedidos ou colocados por outras empresas em explorações agrícolas e estaleiros de construção civil".

O Governo aprovou, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros uma proposta de alteração à legislação laboral, que acomoda as prioridades detetadas no âmbito da Agenda do Trabalho Digno.

Veja também: