País

É com a oposição que são encontradas as melhores soluções, garante Marcelo

Loading...

O Presidente da República está confiante no pacote de medidas de apoio às famílias.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou na sexta-feira "um bom sinal" que, quer o Governo, quer a oposição, estejam empenhados num pacote de medidas de apoio ao rendimento das famílias.

Em declarações aos jornalistas em São João da Pesqueira, durante uma visita à Vindouro, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que é preciso ter cautela na hora de decidir o pacote de medidas para ajudar as famílias, de forma a não comprometer, no futuro, o Orçamento do Estado. Mas explica que é com a oposição que “uns e outros avançam entre este fim de semana e o começo da semana que vem”.

Não há nada como a concorrência para fazer bem à adoção de medidas fundamentais”, disse.

Segundo o Chefe de Estado, a expectativa para o Conselho de Ministros extraordinário de segunda-feira é "muito grande", porque há "um acordo na política portuguesa acerca da necessidade das medidas", entre Governo e oposição, "embora cada qual apresentando um leque diferente de medidas".

Por um lado, da parte do Governo houve "a convocação de um Conselho de Ministros extraordinário para segunda-feira, acelerando a tomada de medidas, antes mesmo de tratar de outros temas no conselho normal de quinta-feira", e “por outro, a oposição, toda ela, a também avançar agora com um pacote de medidas de emergência, o que quer dizer que há um espaço de concordância”.

O Presidente da República referiu que, "neste momento, os portugueses têm duas preocupações: uma é a saúde e a outra é a situação económica e financeira". No que respeita à saúde, disse ser positivo o facto de "estar anunciado um conjunto de diplomas para regulamentar o estatuto do Serviço Nacional de Saúde", o que deverá acontecer "provavelmente na quinta-feira que vem ou na outra semana".

Quando questionado sobre as medidas que deveriam ser tomadas no que respeita aos preços da eletricidade e do gás, Marcelo disse que é preciso esperar para ver o caminho que o Governo vai seguir: "se é o caminho dos impostos ou o caminho de outras ajudas, se é certo tipo de apoio financeiro".

Últimas Notícias
Mais Vistos