País

Covid-19: Governo decide não prolongar situação de alerta

Covid-19: Governo decide não prolongar situação de alerta
Oliver Henze/EyeEm/Getty Imagens

Portugal encontra-se agora “num contexto de regresso à normalidade”.

Loading...

O Governo decidiu, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros não prolongar a situação de alerta devido à pandemia provocada pela covid-19 que, recorde-se, termina às 23:59 desta sexta-feira, 30 de setembro.

A decisão do Executivo foi tomada num momento em que o índice de transmissibilidade (Rt) voltou a subir. Porém, sustentou o ministro da Saúde, “em função do elevado nível de vacinação, da proteção e da menor agressividade das estirpes em circulação, a evolução da doença e o impacto no SNS e na vida das pessoas, têm-se mantido estáveis”.

Ainda assim, vincou Manuel Pizarro, a pandemia “não está ultrapassada”, pelo que “temos de continuar a avaliar a evolução da doença”. Neste sentido apelou à manutenção de cuidados, como a higienização, e referiu que a máscara continuará a ser obrigatória nos lares de idosos e em todos os serviços de saúde, como hospitais.

O ministro deixou ainda “neste contexto de regresso à normalidade”, um agradecimento ”aos portugueses pela adesão ao programa de vacinação", revelando que "desde o início de setembro e até ao dia de hoje, mais de 450 mil pessoas" foram vacinadas com a segunda dose de reforço, e outros dois: às Forças Armadas ,pelo “inestimável apoio”, e aos “milhares de profissionais do SNS”.

Questionado pelos jornalistas, o ministro da Saúde esclareceu que apesar deste alívio, e “se ao contrário do que esperamos houver um novo agravamento, voltaremos a tomar medidas de proteção mais intensas”.

Além de Manuel Pizarro, estiveram presentes na conferência de imprensa do Conselho de Ministros o secretário de Estado da Presidência, André Moz Caldas, e o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

Rt acima de 1 só o Alentejo 'escapa'

Segundo o relatório semanal do INSA sobre a evolução da covid-19, o Rt - que estima o número de casos secundários de infeção resultantes de cada pessoa portadora do vírus – aumentou ligeiramente de 1,02 para 1,06 a nível nacional.

De acordo com o documento, as sete regiões do país estão agora com um Rt superior a 1, sendo mais elevado na Madeira (1,40), seguindo-se os Açores (1,31), o Algarve (1,11), Lisboa e Vale do Tejo (1,08), o Norte (1,06), o Alentejo (1,04) e o Centro (1,01).

O Alentejo foi a única região que manteve o valor do Rt em relação à semana anterior, tendo as restantes seis regiões registado um aumento do valor médio deste indicador.

Últimas Notícias
Mais Vistos