País

Secretário de Estado de Costa em silêncio sobre adiantamento de 300 mil euros

Secretário de Estado de Costa em silêncio sobre adiantamento de 300 mil euros
Governo XXIII

Em causa está o adiamento feito a uma empresa quando Miguel Alves era presidente da Câmara Municipal de Caminha.

Loading...

O secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro continua sem dar explicações sobre o adiantamento de 300 mil euros que fez a uma empresa, quando era presidente da Câmara de Caminha.

Esta manhã numa visita à Bial, na Trofa, e quando saiu foi confrontado pela SIC sobre o caso, Miguel Alves nada quis dizer. Também o primeiro-ministro António Costa não teceu quaisquer comentários.

No cerne da questão está o contrato para a construção de um centro de exposições em Caminha, que está sob investigação do Ministério Público. O presidente da Câmara na altura era Miguel Alves e que, desde meados de setembro, é secretário de Estado adjunto de António Costa.

Loading...

Em causa está um adiantamento de 300 mil euros a uma empresa. A autarquia diz que não há nada de ilegal, opinião diferente tem a oposição que exige esclarecimentos.

“A Câmara ficava presa a um contrato, 25 mil euros por mês, só para dar garantia a um privado. Ainda por cima, um privado que não ainda nem sequer tinha comprado terreno nenhum. As informações que nós temos é que os donos dos terrenos não chegaram a acordo, não quiseram vender os terrenos. Portanto, este contrato de arrendamento que foi feito não tem valor nenhum neste momento”, afirma a vereadora do PSD, Liliana Silva.

O contrato foi assinado em 2020, um negócio aprovado pela maioria socialista, mas que levantou dúvidas desde o início.

Em março de 2021, a Câmara presidida por Miguel Alves, adiantava 300 mil euros ao futuro senhorio.

Os contornos do negócio foram revelados na quarta-feira pelo jornal Público, tendo Miguel Alves remetido quaisquer esclarecimentos para a Câmara Municipal.

Últimas Notícias
Mais Vistos