País

Ministério Público investiga período de António Costa na Câmara de Lisboa

Loading...

O Ministério Público investiga a relação de Joaquim Morão com a Câmara de Lisboa no período em que António Costa ainda era presidente.

A linha do tempo expõe António Costa à possibilidade de as negociações com Joaquim Morão terem começado ainda durante o período em que o atual primeiro-ministro liderava a Câmara de Lisboa. Costa renunciou ao mandato a 1 de abril de 2015.

O despacho que cria a equipa de coordenação de investimentos em infraestruturas municipais, a ECIM, foi assinado por Fernando Medina, já no papel de Presidente da Câmara, a 5 de junho de 2015, dois meses depois de Costa ter abandonado o cargo. É esta ECIM que abre, formalmente, a porta à entrada de Morão na autarquia lisboeta. Nessa altura, já o ex-autarca de Castelo Branco e de Idanha-a-Nova estava plenamente instalado na linha do tempo.

Morão criara uma empresa em nome próprio, a 20 de abril de 2015, que mudou de nome, para JLD Consulltoria Unipessoal, a 29 de maio de 2015, seis dias antes do despacho de Fernando Medina a criar a tal entidade - a ECIM - a tal desbloqueou formalmente a contratação de Morão para vir para a Câmara de Lisboa, coordenar grandes obras na capital.

Na linha do tempo entra então em cena uma terceira figura: Manuel Salgado, o vereador do urbanismo da Câmara Municipal de Lisboa. Salgado deu continuidade ao despacho de Medina, elaborando, ele próprio, um despacho, a 22 de junho de 2015, que autoriza a celebração de um contrato de avença com Joaquim Morão assinado pelas duas partes a 25 de junho de 2015, no valor de 27.675 euros. Este contrato cessaria obrigatoriamente assim que Salgado terminasse o mandato de vereador.

Como não saiu, a 15 de março de 2016, Salgado assinou mais um despacho a autorizar um segundo contrato de avença com Joaquim Morão. O segundo contrato de avença, no valor de 90.700 euros, foi assinado por Salgado e por um colaborador próximo de Joaquim Morão.

Três sociedades e os respetivos representantes legais foram com constituídos arguidos no processo que motivou a realização de buscas na Câmara Municipal de Lisboa no início da semana.

Últimas Notícias
Mais Vistos