País

Reformados manifestam-se contra aumento do custo de vida

Reformados manifestam-se contra aumento do custo de vida
Sawitree Pamee / EyeEm

Os pensionistas exigem uma atualização de todas as reformas em 60 euros e medidas para travar a inflação nos bens essenciais. A MURPI prevê centenas de participantes nas manifestações marcadas para vários pontos do país.

Centenas de reformados prometem sair esta terça-fera às ruas nas principais cidades do país para exigir uma atualização de 60 euros em todas as reformas, bem como medidas do Governo para travar a inflação nos bens essenciais.

Para as principais avenidas e praças do país estão marcadas concentrações, manifestações e distribuição de informação à população, disse à agência Lusa a presidente do MURPI - Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos, Isabel Gomes.

Estão previstas ações para Lisboa, Porto, Coimbra, Leiria, Braga, Guimarães, Aveiro, Viseu, Guarda, Entroncamento, Almada, Setúbal, Barreiro, Beja, Évora, Grândola, Portalegre e Faro, numa iniciativa do MURPI e da Inter-Reformados (CGTP-In).

Os pensionistas exigem que o Governo trave a escalada dos preços de bens essenciais como o leite, a carne e o peixe.

De acordo com a dirigente do MURPI, mesmo os pensionistas com reformas iguais ou superiores a mil euros estão a enfrentar dificuldades para pagarem os medicamentos e os custos das rendas na habitação, havendo casos de pessoas que foram obrigadas a trocar a casa por um quarto.

"Os pensionistas receberam no início deste mês a sua reforma com um valor que ficou muito aquém do que lhes é devido. Com o malabarismo de meia pensão em outubro, a pensão deste mês que deveria trazer um aumento na ordem dos 7% a 8%, veio apenas com 3,5% e 4,8%", referem em comunicado os organizadores do protesto.