Lourenço Medeiros

Futuro Hoje

Lourenço Medeiros

Editor de Novas Tecnologias

Futuro Hoje

Huawei Matebook 13 na mão

Lourenço Medeiros

Lourenço Medeiros

Editor de Novas Tecnologias

Não tem o corpo esculpido num só bloco como os MacBook mas consegue também um aspecto premium, sobretudo se tivermos em conta o preço que não tem nada que ver.

Usar um teclado destes num portátil é um prazer

Para mim é das poucas razões, com o tipo de trabalho que faço, que pode justificar o uso de um portátil em vez de um bom tablet. O Huawei vem com um leitor de impressão digital no botão de ligar tal e qual como os smartphones tinham até agora, o que é uma excelente ideia que deveria ser mais copiada.

Em relação a cópias a verdade é que não deixa a fama por mãos alheias. Qualquer um que olhe para o Huawei Matebook 13 verá uma semelhança gritante com os produtos da Apple. Não há outra forma de o dizer.

Não tem o corpo esculpido num só bloco como os MacBook mas consegue também um aspecto premium, sobretudo se tivermos em conta o preço que não tem nada que ver. Tendo a boa solução da impressão digital, colocaram apenas uma simples câmara de 1mp que obviamente não chega para que o Windows ative a autenticação com reconhecimento facial mas não é coisa de que eu sinta muita falta ao usar um portátil.

Impressão digital é uma boa solução em termos de segurança e conforto de uso.

Impressão digital é uma boa solução em termos de segurança e conforto de uso.

É simpático sobretudo para uma máquina que vem com dois USB-C que venha também com um mini hub na caixa, um adaptador para vários formatos, mas é estranho que só um dos portos permita carregamento. Enfim, nada de grave. É só dar atenção. E convém, dado que a bateria não é excepcional mas pode ser compensada com o carregamento rápido desde que esteja a usar a ficha certa, claro. Os puristas gostarão de saber que mantém on jack 3,5 para auscultadores.

O Huawei Share

Um dos grandes argumentos da nova linha da Huawei é o Huawei Share, sistema rápido de partilha de ficheiros baseado em NFC, basta encostar um telefone ao portátil para transferir fotografias ou outros ficheiros muito rapidamente e sem necessidade de ter Internet disponível. A Huawei diz que assim se evita andar com cabos USB e que dá para passar 500 fotos de 3Mb em 1 minuto. Tanto quanto experimentei funciona de facto bastante bem e é muito rápido, mas apenas entre telefones e computadores da marca.

Dá vontade de dizer que até nos maus hábitos estão a querer seguir a Apple com os seus sistemas relativamente fechados. Ou seja uma coisa que podia ser útil, torna-se logo só meio útil.

Para quem usa a cloud para tudo o que é ficheiro tem uma utilidade muito relativa, a menos que precise mesmo de, como no exemplo que a marca dá, transferir ficheiros rapidamente sem ter Internet disponível. Há casos, ainda. Não deixa de ser engraçado para mostrar aos amigos, pelo menos nas primeiras semanas depois de comprar o Huawei.

O som foi das melhores surpresas. Gostei bastante, e vem muito bem direcionado do ecrã. Tem certificação Dolby Atmos muito na moda por boas razões.

O ecrã causa muito boa impressão de início pela cor, pela dimensão. Quase parece que temos uma imagem a flutuar à nossa frente e é de facto muito agradável. Depois com o trabalho do dia a dia é demasiado refletor para o meu gosto, fico confuso com todas as luzes que recebo de volta com demasiada facilidade. E não atinge grande luminosidade. Ou seja, se quisermos trabalhar com ele no exterior vai ser francamente difícil mesmo levando as capacidades ao máximo e sem nos preocuparmos com o gasto de bateria.

Onde é que eu já vi isto? A verdade é que há muitos parecidos entre si.

Onde é que eu já vi isto? A verdade é que há muitos parecidos entre si.

Balanço final, sem ser um Ferrari é uma máquina com muito bom aspecto que não vai envergonhar ninguém e fará simpaticamente o trabalho do dia a dia.

Só arrisca ter que responder de vez em quando, que não, não é um Mac. Quem precisa de hardware com mais potência conhece bem as ferramentas de que vai necessitar. Dá para fazer muito trabalho e companhia pelo preço de um telemóvel topo de gama.

A máquina que usei tinha um processador Intel I5 de 8ª geração, 8Gb de Ram e 256 para armazenamento, pesa 1,3 Kg o que está muito bem para o tamanho.não Custa 1099 € enquanto a versão i7 com 512 Gb chega aos 1700 €.

  • Lourenço Medeiros

    Autores

    A curiosidade e o prazer com que acompanho as Novas Tecnologias levaram a uma especialização, consolidada com formação nos EUA e Holanda, em meios digitais. Não sou técnico, falo com quem sabe mais do que eu para descodificar a linguagem e divulgar as Novas Tecnologias. O meu objetivo é chegar a todos os que querem saber o que se passa, sem para isso ter que tirar um curso. Para além de algumas incursões esporádicas em Rádio e Imprensa Escrita, a minha carreira foi toda feita em Jornalismo televisivo. Fui um dos fundadores do programa 2001 da RTP (mais tarde 2010), fui um dos fundadores e Diretor Editorial da SIC Online, e fiz o Ovo de Colombo, um programa diário na SIC Notícias sobre inovação em Portugal. Atualmente, sou Editor de Novas Tecnologias na SIC, onde me dedico, sobretudo, ao programa Futuro Hoje (desde 2007) e escrevo às sextas-feiras uma crónica para o Vida Extra, que pode ler aqui.

  • Como não gastar dinheiro com os números começados por 707
    6:46