Linhas Vermelhas

BE e PS distantes no Orçamento e Mesquita Nunes rejeita candidatura ao CDS

Orçamento do Estado, liderança do CDS-PP e a regulação das redes sociais foram os tópicos do último "Linhas Vermelhas".

No "Linhas Vermelhas" desta segunda-feira, Mariana Mortágua e Adolfo Mesquita Nunes comentaram o processo de negociação do Orçamento do Estado, o futuro da liderança do CDS-PP e os escândalos e a falta de regulação das redes sociais, nomeadamente, do Facebook.

O debate começou com Mariana Mortágua a comentar as negociações do Orçamento do Estado entre o Bloco de Esquerda e o Partido Socialista, onde refere que faltou sintonia entre os dois partidos, remetendo a aprovação, ou não, do Orçamento para 2022 para o momento da votação.

Relativamente à liderança do CDS-PP, Adolfo Mesquita Nunes rejeitou comentar o assunto interno do seu partido, no entanto, partilhando que não se tenciona candidatar a número um dos centristas, como dito em janeiro.

O debate focou-se, de igual forma, no tema das redes sociais, após o "crash" temporário do Facebook, do Instagram e do WhatsApp da última semana.

Os dois comentadores partilham a opinião de que é necessária uma maior regulação do setor e dos seus intervenientes, nomeadamente, do impacto que o Facebook tem na sociedade, em especial, ao nível da informação partilhada e da liberdade de expressão, considerando que Mark Zuckerberg possui forte poder na sociedade atual e no universo democrático dos Estados.

Veja também: