Cultura

Britney Spears não voltará aos palcos enquanto o pai mantiver a tutela

A cantora está numa luta judicial para recuperar o controlo sobre o seu património.

Britney Spears garantiu que não voltará aos palcos enquanto o pai mantiver a tutela sobre a carreira e a fortuna de cerca de 50 milhões de euros. A situação há dura há 13 anos.

Desde os 17 anos, Britney Spears habituou-se às rotinas de dança e ao ritmo de músicas como “Baby One Morte Time”, “Toxic” ou “Womanizer”. Êxitos que fizeram da artista norte-americana uma das figuras mais polarizadoras da música pop.

Em 2008, um esgotamento travou a progressão da cantora, que passou a ter um tutor: Jamie Spears, o pai. A situação prolonga-se há 13 anos. Desde essa altura que Britney Spears não tem controlo sobre património avaliado em cerca de 50 milhões de euros e, de acordo com a própria, foi obrigada a tomar lítio e a carregar um dispositivo intrauterino que a impede de engravidar.

O caso está a ser discutido no Tribunal Superior de Los Angeles, onde a cantora já conseguiu algumas vitórias. Fora do tribunal, Britney Spears tem exprimido a revolta com publicações onde afirma que enquanto o pai lhe controlar a vida e a carreira não voltará a pisar um palco. Desde 2018 que a artista não faz atua em público.

Britney Spears acusa o pai de abusar dos poderes dados pela tutela e diz que lhe arruinou a vida. Exige, na mesma publicação, que lhe seja devolvido o controlo sobre o património sem a avaliação médica, normalmente requisitada pelo tribunais em casos como estes.

A cantora continua a ser uma das artistas mais bem sucedidas de sempre, com perto de 100 milhões de discos vendidos em todo o mundo.

Veja mais:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia