Desporto

Final da Champions. Secretário de Estado do Desporto recusa incoerência

Abre ainda a porta à presença de público nos estádios na próxima época.

O secretário de Estado do Desporto reagiu às críticas sobre a presença de adeptos na final da Champions, afirmando que não há nenhuma incoerência da parte do Governo ou regime de exceção.

João Paulo Rebelo abre ainda a porta à presença de público nos estádios na próxima época.

“As pessoas percebem que são testes, que estamos a avaliar (…) é mais uma experiência com que o Governo agora conta para perceber se temos condições. (…) Admito que haja muita gente interessada em ter publico nos recintos desportivos, o próprio secretário de Estado tem interesse nessa matéria”, afirmou em entrevista à SIC Notícias.

Milhares de ingleses 'invadiram' a invicta

Milhares de adeptos ingleses rumaram entre quinta-feira e sábado ao Porto para assistir à final da mais importante competição de clubes de futebol, no Estádio do Dragão, numa afluência que causou uma forte presença em locais como a Ribeira, onde se registaram desacatos.

No sábado, após o final do jogo que o Chelsea venceu por 1-0 ao Manchester City, dois adeptos ingleses foram detidos pela PSP após terem agredido agentes policiais, o que fez com que um dos polícias tivesse de ser suturado na face no Hospital Santo António.

No decurso da última madrugada cerca de 50 aviões com adeptos das duas equipas partiram do aeroporto Sá Carneiro rumo a Londres e a Manchester.

Corpo de Intervenção da PSP tinha ordens para não intervir

Os agentes do Corpo de Intervenção da PSP tiveram ordens superiores para não intervir no Porto junto dos adeptos ingleses. A notícia é avançada pelo jornal Inevitável, que cita um dos elementos desta força de segurança.

Garante que só atuaram quando alguém corria perigo de vida. De acordo com esta fonte, houve ordens superiores para que se deixasse os adeptos ingleses aproveitar, beber e contribuir para a economia portuguesa - pode ler-se no jornal.

Adianta ainda que houve uma organização deficiente, ao nível da Unidade Especial da Polícia, que só foi chamada no dia da competição, ou seja, no sábado, e foi chamada a intervir primeiro em dois subgrupos, depois em três e finalmente em quatro subgrupos de atuação.