Economia

3.ª ronda negocial em Pequim para travar guerra comercial EUA-China

Mark Schiefelbein

Com a trégua de 90 dias à beira do fim, os dois países retomaram hoje as negociações de alto nível, para pôr fim àcontenda que ameaça a economia mundial e pode agravar-se.

Terceiro frente-a-frente EUA - China

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o representante do Comércio, Robert Lighthizer, reúnem hoje e sexta-feira, em Pequim, com o vice-primeiro-ministro chinês Liu He.

Trata-se do terceiro frente-a-frente desde que, no início de dezembro, Xi Jinping e o homólogo norte-americano, Donald Trump, concordaram uma trégua de 90 dias, para encontrar uma solução para a guerra comercial que espoletou entre os dois países, no verão passado.

Washington e Pequim aumentaram já as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um dos países, caso não haja um acordo até 01 de março, Trump ameaça aumentar ainda mais as taxas sobre importações oriundas da China.

Empresários e economistas consideram improvável que os dois lados cheguem a um acordo definitivo e alegam que Pequim vai tentar convencer Washington a prolongar o período de trégua.

Mark Schiefelbein

Robert Lighthizer e Liu He apertaram as mãos no início da reunião, numa residência oficial do Governo chinês, mas não prestaram declarações à imprensa.

Trump quer que a China ponha fim a subsídios estatais para certas indústrias estratégicas, à medida que a liderança chinesa tenta transformar as firmas do país em importantes atores em atividades de alto valor agregado, como inteligência artificial ou robótica, ameaçando o domínio norte-americano naquelas áreas.

Washington quer também mais acesso ao mercado, melhor proteção da propriedade intelectual e o fim da ciberespionagem sobre segredos comerciais de firmas norte-americanas. Mas o Partido Comunista Chinês está relutante em abdicar dos seus planos, que considera cruciais para elevar o estatuto global do país.

Na terça-feira, Trump afirmou que, embora não esteja inclinado a prolongar o prazo, poderá adiar novas taxas alfandegárias por algum tempo, caso as negociações estejam a ser frutíferas.Grupos empresariais consideram que a decisão dos principais representantes do comércio, Lighthizer e Liu, de participar pessoalmente no encontro, é um sinal de que as negociações estão a progredir.

Empresas de ambos os lados foram prejudicadas pelas taxas alfandegárias impostas por Washington e pelas medidas de retaliação impostas por Pequim, ameaçando abalar as cadeias de produção globais.

Os líderes chineses estão dispostos a reduzir o superavit nas trocas comerciais com os EUA, mas recusam-se a alterar os seus planos de desenvolvimento.

As autoridades chinesas negam ainda que as empresas estrangeiras são forçadas a transferir tecnologia, em troca de acesso ao mercado, mas grupos empresariais e governos apontam para regulamentos que obrigam as companhias a divulgarem segredos comerciais ou a partilharem tecnologia com parceiros estatais chineses.

As autoridades chinesas estão também a resistir à pressão dos EUA para aceitar um mecanismo de fiscalização que verifique se Pequim cumpriu as suas promessas.

Com Lusa