Economia

Indústria farmacêutica pede serviços mínimos para distribuir medicamentos

Em atualização

RUI MINDERICO

O apelo da APIFARMA - Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica - ao Governo.

Leia o comunicado da APIFARMA na íntegra:

Hoje, 17 de Abril, a APIFARMA – Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica solicitou ao Ministério da Saúde, ao Ministério da Administração Interna e ao Ministério do Ambiente e da Transição Energética que a distribuição de medicamentos a Hospitais e Farmácias seja incluída nos serviços mínimos fixados pelo Despacho n.º 4189-A/2019, 2.ª Série, de 16 de Abril.

Esta situação torna-se premente, sob pena de ser criada uma grave situação de saúde pública com a falta de medicamentos nos Hospitais e Farmácias durante o período de greve dos motoristas de camiões de combustíveis.

Para tal, a APIFARMA solicita que o referido despacho seja alterado, ou publicado um novo despacho, de modo a satisfazer o abastecimento de combustíveis às empresas responsáveis por esse serviço.

A APIFARMA destaca que na sequência da requisição civil dos trabalhadores motoristas em situação de greve, nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 69-A/2019, de 16 de Abril e da Portaria n.º 117-A/2019, de 16 de Abril, nos serviços mínimos fixados não se encontra previsto este sector.

De norte a sul, há quase três mil postos de abastecimento com falta de combustível e a situação deverá piorar porque a greve dos motoristas de matérias perigosas vai continuar.

A greve dos motoristas de matérias perigosas lançou o caos no país. Surgem relatos de pessoas que não conseguem encontrar uma bomba de gasolina com combustível ou dos que precisam de fazer vários quilómetros para encher o depósito.

A VOST Portugal e o Fogos.pt criaram uma plataforma que ajuda a perceber quais os portos de abastecimento que estão sem combustível.

VEJA AQUI QUAIS OS POSTOS DE ABASTECIMENTO QUE AINDA TÊM COMBUSTÍVEL

  • "Vamos a Jogo" com Helton e Ukra
    22:17