Economia

Greve mantém-se, sindicatos esperam pela posição da ANTRAM

RUI MINDERICO

Governo propôs mecanismo legal que poderá desconvocar a paralisação.

A greve dos motoristas mantém-se em cima da mesa pelo menos até sexta-feira, prazo-limite que os sindicatos deram à Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) para apresentar uma proposta que será votada pelos trabalhadores.

Anacleto Rodrigues, do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), garante que houve empenho do Governo na reunião desta segunda-feira, de forma a encontrar uma solução para o conflito entre motoristas e patrões.

O dirigente do SIMM explica ainda que se houver uma proposta da ANTRAM nos pontos-chave, será levada a plenário, no sábado, onde se decidirá manter ou desconvocar a greve.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias estiveram esta segunda-feira reunidos, em Lisboa, com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

À saída do encontro, o assessor jurídico do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, garantiu aos jornalistas que a greve vai manter-se até a ANTRAM apresentar "uma contraproposta" que, a concretizar-se, será votada na "sexta-feira, no plenário".

Durante a noite, o Governo revelou em comunicado que propôs aos sindicatos o "desencadear de um mecanismo legal de mediação, previsto no Código do Trabalho, no âmbito do qual as partes são chamadas a negociar e, caso não haja acordo, o próprio Governo, através da Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, apresentará uma proposta de convenção coletiva de trabalho, nos termos da lei".

A proposta que foi apresentada pelo Governo, caso os sindicatos a aceitem, permite que a greve seja desconvocada e que as partes retomem o diálogo e a negociação num novo enquadramento legal, refere o comunicado.

Em entrevista à SIC Notícias, o advogado André Matias de Almeida, porta-voz da ANTRAM, aplaudiu o esforço do Governo para que haja entendimento entre motoristas e patrões, nomeadamente com a apresentação de um mecanismo de mediação que pode evitar a greve, e que a ANTRAM considera que deveria ter sido apresentado pelos sindicatos.

Os motoristas entregaram um pré-aviso de greve com início a 12 de agosto, próxima segunda-feira, por tempo indeterminado, reivindicando o aumento do salário base para 1.000 euros até 2025, com indexação ao crescimento do salário mínimo nacional.

A greve é convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo SIMM e ameaça o abastecimento de combustíveis e de outras mercadorias.

O Governo terá de fixar os serviços mínimos para a greve, depois de as propostas dos sindicatos e da ANTRAM terem divergido entre os 25% e os 70%, bem como sobre se incluem trabalho suplementar e operações de cargas e descargas.

  • Escolas fazem negócio com refeições
    11:40