Economia

Futuro da TAP. José Gomes Ferreira explica negociação com David Neeleman

Futuro da TAP. José Gomes Ferreira explica negociação com David Neeleman

Estado disposto a pagar 40 milhões de euros para comprar posição de Neeleman na TAP.

Segundo José Gomes Ferreira, o que está a ser negociado entre o Governo e o acionista David Neeleman é uma "pequeníssima parte de tudo o que é preciso fazer com a TAP".

Numa análise na Edição da Noite desta terça-feira, explica que o empresário americano, que tem 22,5% da capital da companhia aérea, começou por pedir muito dinheiro para vender a sua parte. Contudo, a hipótese da nacionalização podia deixá-lo sem qualquer recompensa pelo investimento na companhia aérea e, aí, já se mostrou mais disponível para negociar.

Para José Gomes Ferreira, a compra da parte a Neeleman garante ao Estado segurança jurídica, isto é, sabe que o caso não será levado a tribunal. Sublinhou ainda que a TAP está entre as três maiores exportadoras do país, com um volume total de negócios que ronda os 2.500 milhões de euros anualmente.

40 milhões de euros pela posição de Neeleman

O Estado está a tentar comprar a posição de David Neeleman na TAP, que detém 22,5% do capital da companhia aérea, e está disposto a dar 40 milhões de euros. No entanto, o empresário americano só aceita sair da companhia por 55 milhões de euros e a diferença de apenas 15 milhões está a empatar o acordo.

É aqui que entra o acionista português Humberto Pedrosa, que detém os mesmos 22,5% que David Neeleman. O empresário pode reforçar a posição na companhia ao comprar uma parte da posição de Neeleman em conjunto com o Estado.

A SIC sabe que para fazer avançar o negócio Humberto Pedrosa tem disponíveis os 15 milhões de euros que faltam para chegar ao valor exigido pelo americano, embora exija condições que garantam que não perde capital no futuro.

Se a solução avançar, o Estado - que agora tem 50% do capital da TAP - pode reforçar a posição para cerca de 70%, passando a companhia a ser maioritariamente pública, sem ser nacionalizada.