Economia

Governo assina acordo de princípio com acionistas privados da TAP

Regis Duvignau

Processo pode estar resolvido nas próximas horas.

O Governo assinou um acordo de princípio com os acionistas privados da TAP, mas acena com nacionalização caso o acordo não chegue a bom porto. A garantia foi dada pela ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva.

Foi também aprovada esta quinta-feira a injeção de 1.200 milhões de euros na TAP. O anúncio foi feito pela ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, numa conferência de imprensa depois de uma reunião do Conselho de Ministros, que durou todo o dia, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

Caso o acordo de princípio seja frustrado, a ministra da Presidência esclareceu que o Conselho de Ministros reunir-se-á "imediatamente" para aprovar a nacionalização da companhia aérea.

A SIC sabe que haverá uma conferência de imprensa separada, entre as 19:30 horas e as 20:00 horas, onde o ministro das Finanças e o ministro das Infraestruturas vão esclarecer questões sobre a TAP e avançar, possivelmente, com a solução definitiva para a transportadora portuguesa.

A ministra recusou-se a adiantar pormenores na comunicação aos jornalistas desta tarde, afirmando apenas que os contactos têm sido feito ao longo de todo o dia e que faltam apenas resolver "questões muito técnicas".

Referiu ainda que não existe nenhuma divergência de fundo com os acionistas privados e que estão apenas a ser ultimadas questões técnicas e jurídicas.

José Gomes Ferreira explica o impasse nas negociações

  • Covid-19. Conselho de Ministros anuncia hoje novas medidas

    Coronavírus

    Portugal resgista este sábado um novo máximo de internados em cuidados intensivos. O Conselho de Ministros está reunido e vai decretar "ações imediatas" de controlo da pandemia. O recolher obrigatório é uma das propostas do Governo. Os EUA continuam a ser o país mais afetado pela Covid-19. No Mundo há registo de mais de 45 milhões de infetados e 1,1 milhões de mortos.

    Ao Minuto

    SIC Notícias