Economia

Catarina Martins pede apoios para "aguentar" a restauração

Ana Geraldes

Ana Geraldes

Jornalista

BE diz que o Governo está focado na recuperação, mas avisa que muitas empresas podem não chegar lá.

A coordenadora do Bloco de Esquerda entende que é preciso mudar o apoio anunciado pelo Governo para que os 20% tenha por base a faturação de 2019 e não a de 2020. O que, de resto, foi uma das reivindicações mais ouvidas no fim-de-semana pelos empresários da restauração.

Catarina Martins reuniu-se, esta segunda-feira de manhã, por videconferência, com os representantes da AHRESP - associação que representa o setor e, no final, disse que não basta anunciar apoios, é preciso que eles consigam "aguentar" as empresas e os postos de trabalho.

Para a líder do BE, o Governo está muito virado para a fase de recuperação, mas deixa o aviso: muitos podem não "aguentar" até lá. Para isso, deixa ainda a medida de criação de um programa para ajudar os proprietários destes estabelecimentos - 90% arrendatários - a suportar as rendas que continuam a ser pagas a 100%.

Catarina Martins diz que é preciso ainda que aceder às ajudas do Governo seja simples.

"A compexidade dos apoios faz com que muitos deles só sejam acessíveis apenas às grandes empresas, às maiores empresas, que são minoritárias neste setor, por um lado e, muito sinceramente, não são necessariamente aquelas que precisam de mais apoio e que estão mais aflitas neste momento."

Quanto a incentivos fiscais, Catarina Martins diz que se o Governo já mostrou disponibilidade em dar um apoio nesta área - com a criação do IVoucher - deve fazê-lo mas através de uma medida com impacto no imediato, já que o próprio ministro das Finanças reconheceu, lembra a líder bloquista, que este só será um verdadeiro benefício quando as empresas voltarem a receber clientes e pensarem na recuperação.