Economia

Estado vai ter de injetar mais 1.000 milhões de euros na TAP em 2021 

Notícia SIC

MARIO CRUZ / LUSA

Fonte do Governo disse à SIC que a companhia aérea corre o risco de ser liquidada se não tiver uma reestruturação profunda.

O Estado vai ter de injetar mais mil milhões de euros na TAP em 2021. Inicialmente, estava prevista no Orçamento do Estado para 2021 uma verba de 500 milhões a ser injetada na companhia aérea.

Os 1,2 milhões que a TAP já recebeu não chegam, com a companhia aérea a precisar de pelo menos mais mil milhões no próximo ano. Fonte do Governo confirma à SIC que a transportadora vai continuar a receber ajuda pública em 2022 e 2023.

Isto é o que está previsto no plano de reestruturação da TAP, que só prevê o regresso a um equilíbrio da exploração em 2024.

A mesma fonte adianta que "ou a TAP é rapidamente submetida a uma reestruturação agressiva, ou não tem qualquer hipótese de salvação".

O plano, que terá de ser apresentado à Comissão Europeia até 10 de dezembro, prevê uma redução de 25% da massa salarial da companhia aérea, com o despedimento de 3 mil trabalhadores e a saída por não renovação de 1.600 contratos.

Como a TAP já estava em desequilíbrio financeiro antes da pandemia do novo coronavírus, a Comissão Europeia não aceitou contabilizar a ajuda pública do Estado como ajuda ao abrigo do regime covid-19 e impôs uma pesada reestruturação.

No plano de restruturação está ainda previsto a diminuição dos salários, o que é possível por lei se a empresa apresentar a declaração de situação económica difícil. Neste caso, os contratos coletivos, incluindo o dos pilotos, deixarão de estar em vigor.

A SIC sabe também que o Governo está a receber os sindicatos porque há ainda uma margem de negociação, embora estreita.

Depois de vários meses de impasse, o processo de reestruturação da TAP entrou assim em fase decisiva e, segundo a mesma fonte, ou a reestruturação é profunda ou a TAP corre o risco de ser liquidada.

Reestruturação da TAP. "Já estava altamente desequilibrada, só não via quem não queria"