Economia

Carlos Costa compara Novo Banco a cabaz de fruta podre

Ouvido no parlamento, o ex-governador do Banco de Portugal recusou ainda não ter agido a tempo no BES.

"Um cabaz de fruta que, parcialmente, está apodrecida". Foi desta forma que Carlos Costa, ex-governador do Banco de Portugal, descreveu o Novo Banco no momento da venda.

"Não posso contar com a benevolência ou generosidade do comprador para que ele me pague toda a fruta como sendo de qualidade. É preciso ter em consideração o custo de não vender, que era apodrecer a fruta toda, ou vender pelo valor que vendemos, e aí vendemos a fruta por um valor mais barato do que seria possível no mercado", explicou esta segunda-feira na comissão de inquérito ao Novo Banco, no Parlamento.

Carlos Costa recusou ainda não ter agido a tempo no Banco Espírito Santo e garantiu que não foi por falta de ação do supervisor que o banco entrou em insolvência.

Veja também: