Economia

Novo Banco. Presidente do Fundo de Resolução contraria Tribunal de Contas

Máximo dos Santos diz que Fundo decide sobre 598 milhões nos próximos dias.

O presidente do Fundo de Resolução contraria o Tribunal de Contas e defende que não está a ser paga ao Novo Banco mais do que é devido pelas perdas de ativos. Foi ouvido depois do antigo governador do Banco de Portugal.

Máximo dos Santos foi ouvido esta terça-feira de manhã na Comissão de Inquérito e garantiu que as contas seguem as orientações das entidades competentes.

É o valor total de operações que o Fundo travou ao Novo Banco e que se o tribunal arbitral não der razão, faz com que o banco esgote este ano os 3,89 mil milhões da injeção de capital para cobrir as perdas do banco.

Contraria o Tribunal de Contas, que levantou reservas na auditoria. Máximo dos Santos diz que discordar é um direito, que o Fundo fez um contraditório e não acompanha a ideia de que se está a pagar a mais do que o devido ao Novo Banco.

Nacionalizar o Novo Banco em 2017 não era alternativa.

No dia da audição de Mário Centeno e na véspera de de António Ramalho, o presidente do Fundo de Resolução adiantou na Comissão de Inquérito que a decisão do pedido de 598 milhões pelo Novo Banco está por dias de ser comunicada ao ministro das Finanças.

  • Dez dicas para pais, alunos e escolas no regresso às aulas

    País

    O regresso à escola é sempre desafiante para pais, crianças e professores. Os novos começos não são fáceis e, por isso, às vezes é bom contar com ajuda. Reunimos dez dicas: cinco de um professor e cinco de uma psicóloga que podem ser usadas como um guia prático para quem quer entrar com o pé direito no novo ano letivo.

    Ana Luísa Monteiro