Economia

Refinaria de Matosinhos: funcionário despedido aponta culpas a António Costa por meses de silêncio

Sindicato garante que o Governo conhecia os problemas na refinaria da Galp.

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energias e Atividades do Ambiente do Norte garante que o Governo conhecia os problemas e as soluções para a refinaria de Matosinhos.

No programa da SIC Notícias, Opinião Pública, o dirigente e trabalhador despedido da Galp, João Madeira, aponta culpas ao primeiro-ministro, António Costa, por nove meses de silêncio.

Costa acusa Galp de "disparate, asneira e insensibilidade"

António Costa criticou a Galp pela forma como a empresa privada procedeu ao encerramento da refinaria de Matosinhos.

O líder socialista fez no domingo sete comícios no distrito do Porto. Num deles, em Matosinhos, o também primeiro-ministro acusou a empresa privada de irresponsabilidade social e de só ter feito “asneiras e disparates”.

O caso já tem nove meses, mas António Costa esperou pela campanha eleitoral para responder. O secretário-geral do PS e também primeiro-ministro deixou fortes críticas à empresa privada, acusando a empresa de deixar "um enorme passivo ambiental de solos contaminados".

António Costa diz que a Galp deve ser castigada de forma exemplar pela Câmara de Matosinhos.

Veja também:

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia