Economia

Dicas para as famílias lidarem com o aumento da prestação da casa

Entrevista SIC Notícias

Loading...
DECO deixa algumas sugestões daquilo que os portugueses poderão fazer para aliviar o pagamento das prestações do crédito à habitação.

As prestações das casas não param de subir com o aumento do custo de vida. A subida da Euribor fez crescer as prestações das casas - a taxa Euribor a 12 meses é a mais alta.

Em entrevista à CNN Portugal, António Costa adiantou a possibilidade de o Governo avançar com medidas de apoio no que diz respeito à subida do crédito à habitação.

As medidas anunciadas dependerão daquilo que as famílias têm contratado, “se têm uma indexação de seis meses ou um ano ou três meses”, explica Natália Nunes, da DECO.

"O que nós verificámos durante a pandemia foi que foram adotadas algumas medidas que levaram a que as famílias com dificuldades financeiras pudessem beneficiar de moratórias, que acabam por ser aquilo que é muitas vezes utilizado pela banca, que são os períodos de carência. A moratória era uma carência praticamente total, de capital e de juros, e pode ser uma solução benéfica para algumas famílias", adiantou, em entrevista à SIC Notícias.

O que podem fazer as famílias, com os bancos, para aliviar o impacto dos créditos à habitação sem que haja incumprimentos?

As famílias devem começar, desde logo, a reajustar os seus orçamentos familiares, devem ir acompanhando de perto a evolução da Euribor e devem ir fazendo simulações e, para isso, podem utilizar o simulador do Banco de Portugal. Isto permite à família saber qual o impacto que a subida da Euribor vai ter na sua prestação”, explicou Natália Nunes.

Se a família considerar que vai ter dificuldades em pagar a prestação, o que deve fazer imediatamente é contactar um banco, dando-lhe a conhecer os seus receios e a sua situação financeira para que conjuntamente com a instituição avaliem essa situação e encontrem aqui soluções", referiu.

As dicas são dadas por Natália Nunes, que garante que os bancos são, desde 2012, obrigados por lei, sempre que são contactados pelo consumidor ou desde que a instituição financeira detete indícios da degradação da situação financeira, a inserir "a família naquilo que se chama o PARI (Plano de ação para o risco de incumprimento), que vai obrigar o banco a olhar para a situação financeira da família e encontrar soluções".

As famílias podem ainda, além dos simuladores disponíveis, contactar o seu fornecedor e pedir informações, consultar o site da ERSE ou contactar a DECO para obter informações sobre qual é a melhor solução.

Perante a subida dos valores do crédito à habitação, a DECO apela para que as famílias continuem “a fazer uma boa gestão, para evitar que a inflação possa vir a ter efeitos negativos nos orçamentos familiares e, inclusivamente, a rutura dos mesmos”.

Últimas Notícias
Mais Vistos