Brexit

Brexit "pode não acontecer" se acordo for chumbado no Parlamento britânico

NEIL HALL

Se o acordo for chumbado pela segunda vez, o Governo prometeu dar aos deputados a opção de sair da UE sem um acordo ou de pedir aos líderes europeus um adiamento do Brexit.

As declações são da primeira-ministra britânica, Theresa May, e surgem no mesmo dia em que o acordo volta a ser votado no Parlamento, em Londres.

"Se o acordo não for aprovado esta noite, então o Brexit pode ficar perdido", disse Theresa May ao Parlamento, citada pela agência de notícias Reuters.

Na abertura do debate desta terça-feira na Câmara dos Comuns, que antecede à votação, a primeira-ministra britânica pediu ainda o apoio "de todos" os deputados britânicos ao Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia e defendeu que as negociações que decorreram ao longo de oito semanas após o chumbo do documento, em janeiro, resultaram num "acordo melhorado que merece o apoio de todos" os deputados.

"O facto é que há alterações legalmente vinculativas como resultado das negociações", vincou, citada pela Lusa, a propósito dos três documentos divulgados na segunda-feira em Estrasburgo em conjunto com a União Europeia.

No entanto, as adendas feitas ao acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia podem não ser suficientes para que o Parlamento britânico aprove o documento, tal como explica Emanuel Nunes, correspondente da SIC em Londres.

Se o Acordo for chumbado pela segunda vez, o Governo prometeu dar aos deputados a opção de sair da UE sem um acordo ou de pedir aos líderes europeus um adiamento do Brexit para depois de 29 de março.

UE fez "tudo o que podia para tranquilizar" o Reino Unido

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, considerou esta terça-feira que as instituições da União Europeia fizeram "tudo o que podiam para tranquilizar" o Reino Unido, esperando que "o bom senso prevaleça" na votação Câmara dos Comuns.

A fronteira entre as duas Irlandas tem sido um dos maiores obstáculos à aprovação do acordo do Brexit no Parlamento britânico. Na ilha que está dividida entre dois Estados teme-se que a saída do Reino Unido da União Europeia acabe com a livre circulação de pessoas e mercadorias.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, assegurou também que “não haverá mais oportunidades, nem mais interpretações das interpretações, nem garantias para as garantias” se o Parlamento britânico chumbar o acordo.

“Em política, às vezes temos segundas chances. E isso foi o que fizemos hoje. Não haverá mais oportunidades, nem mais interpretações das interpretações, nem mais garantias para as garantias se o Acordo de Saída for chumbado amanhã [terça-feira].”