Coronavírus

Presidente da China adverte que "situação é grave" e "propagação do vírus acelera-se"

Xi Jiping assegurou que o país pode "vencer a batalha" contra o vírus.

Especial Coronavírus

O Presidente chinês, Xi Jiping, admitiu hoje que a China enfrenta uma "situação grave" devido à "propagação acelerada" do novo coronavírus, mas assegurou que o país pode "vencer a batalha" contra o vírus.

"Face à situação grave de uma epidemia que se acelera [...] é necessário reforçar a direção centralizada e unificada do comité central do partido", disse Xi, que presidiu hoje a uma reunião do politburo, o órgão de sete membros que dirige o país, consagrada à emergência de saúde provocada pelo coronavírus.

O vírus já matou 41 pessoas na China e infetou mais de 1.300 em vários países.
"A China pode vencer a batalha", assegurou o Presidente.

O novo tipo de coronavírus surgiu no mês passado na cidade de Wuhan (centro) e propagou-se a outras cidades e países.

Além do território chinês, foram confirmados casos em Macau, Tailândia, Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul, Japão, Estados Unidos, Malásia, França e Austrália.

Ao longo dos últimos dias, as autoridades chinesas proibiram as entradas e saídas de Wuhan e várias cidades na região, afetando mais de 50 milhões de chineses, e, hoje, decretaram que apenas veículos de emergência podem circular na cidade onde teve origem o surto.

Também em Wuhan começou a ser construído um novo hospital, com capacidade para 1.300 pacientes, que estará concluído em duas semanas, e foi anunciado o envio de equipas de médicos militares especialistas para a província de Hubei, onde se localiza Wuhan.

Veja também:

  • Governo admite aumento de pressão sobre os hospitais

    Coronavírus

    No dia em que o balanço da Direção Geral de Saúde dá conta de 311 mortes e 11.730 casos de Covid-19 em Portugal, o Governo admite que aumentou a pressão sobre os hospitais. Esta segunda-feira, ficou ainda a saber-se que o País já tem um mapa de risco de infeção por coronavírus. Em Londres, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson está internado nos cuidados intensivos. Em Espanha, o número de óbitos desceu pelo quarto dia consecutivo. Já os Estados Unidos ultrapassaram as 10 mil mortes. A pandemia do novo coronavírus já matou, desde dezembro, 73.139 pessoas e infetou mais de 1,3 milhões em todo o mundo.

    SIC Notícias